Rosh Hashaná em Família: A Divina Comédia

Rosh Hashaná: Maçã, Mel e 2 Estrelas de Anis
No início de cada ano novo judaico é costume desejar-se às pessoas “Shaná Tová uMetuqá!” que é o mesmo que desejar votos de um ano doce, próspero, livre de maldições e perseguições.

Uns familiares meus, neste dia, costumam partilhar a sua refeição com pessoas de uma outra denominação religiosa: desta vez tivemos um casal evangélico.
Depois das benções da Chalá; da maçã com o mel; da beterraba; das tâmaras e das romãs, degustámos um delicioso aspic de peixe com salada – pena foi o Riesling alemão – depois passámos para uns decadentes nacos do pescoço de borrego servidos com um misto de vegetais assados e regados com um divinal tinto da região do Dão.

A refeição estava a decorrer numa perfeita harmonia – até os jovens e as criancinhas pareciam ter tomado seriamente o aviso sobre a boa conduta – e eis que, então, o patriarca ligeiramente picado, porque os evangélicos estariam supostamente a ofender Baco, dirigindo-se ao pastor, num tom jocoso, indagou se a sua selecção de vinhos lhe havia desagradado. O bom homem respondeu que, por norma, se desaconselha o consumo de bebidas alcoólicas aos “renascidos em Cristo”.
O patriarca voltando à carga disse “Será que os evangélicos são mais puros que Yeshua que na Última Ceia partiu o pão, dividiu-o pelos seus apóstolos e bebeu vinho?”

A esposa do pastor tomou a palavra e explicou que os estudiosos simplesmente haviam chegado àquela conclusão porque renascer significa abandonar os velhos costumes que se provaram nocivos para muitos e, abraçar uma conduta mais saudável. Concluiu dizendo “Gostamos de pensar que somos redentores; é só disso que se trata”.
O patriarca, recordando-se dos péssimos hábitos adquiridos quando era Cristão-Novo, comentou “Ah...estou a perceber, então a vossa denoninação é constituída por fiéis que numa outra denominação eram uns falhados e passaram para a vossa onde são acarinhados e ajudados a redimirem-se?”; a esposa do pastor, mastigando e concordando com um acenar de cabeça, dirigiu-se à matriarca (com um sorriso cheio de bondade) “Parabéns, esta refeição está um manjar dos deuses; meu marido e eu agradecemos esta bela oportunidade!”.

O anfitrião ia balbuciar qualquer outra coisa, quando a anfitriã o interrompeu instando-o “Manuel, come mais carne! Come! Come a carne porque ela está um manjar dos deuses; sim?” O coitado do Manuel tentou insistir alegando que só queria cumprimentar a “pastora” por ter respondido na perfeição. Quando todos pensavam que o assunto estava arrumado, ele saiu-se com a seguinte tirada “Vocês são uma espécie de congregação de Viciados Anónimos; não é?

Eu estava sinceramente deliciada e a evitar, a todo o custo, meter-me em debates religiosos, mas - como sempre - não consegui manter a matraca fechada e, na presença de todos, dirigi-me ao meu familiar “Ó Manuel, sabes bem que te adoro e és até o meu favorito, mas se a tua mente está esclerosada ou em pré-Alzheimer, hoje não queremos saber. Este casal é nosso convidado e como tal não queremos que os massacres com as tuas amarguras. Hoje é o primeiro dia do ano então, por favor, guarda a catarse para o Purim. Agora vamos comer em paz, porque no fim deste manjar quero dançar até cair; topas?”

Quando ia a caminho de casa perguntei-me quando havia a etiqueta partido da convivência entre as pessoas. Qual seria a razão pela qual as aulas de civilidade haviam sido eliminadas do currículo escolar? Porque será que os adultos se querem comportar como se fossem uns fedelhos?
Porquê aceitar partilhar o pão com outros se é para fazer demonstração de intolerância?
Desde quando pode um adulto, na presença de pessoas que não são do seu sangue, pensar que tem o direito de exercitar a irreverência? Enfim...

À comunidade judaica nos países Lusófonos: Shaná Tová / Tizku leshanim rabot!  

Comentários

  1. Shaná tová para todos!

    ResponderEliminar
  2. Que linda fotografia, Lenny! Então a Lenny é judia, é isso? Olhe, não é costume em Portugal os judeus se identificarem como tal e, compreendo-os bem porque fomos umas bestas para com eles (perdoe-me a linguagem menos civilizada) por isso estou feliz que a Lenny partilhe connosco um pouco dos costumes do povo escolhido!
    Pensei que fosse católica, mas enganei-me. Olhe, feliz ano novo! Que Deus a abençoe no novo ano que começa!
    P.S: não faço comentários sobre os hereges dos evangélicos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. lol lol lol @"hereges dos evangélicos"

      Eliminar
    2. Olá, Maria Joaquina!

      Minha amiga, na minha família temos quase todas as religiões e a católica é uma delas.

      Quanto aos evangélicos; que fazer?

      Até para a semana, minha boa amiga e que Deus a abençoe!

      Eliminar
  3. Leny, gostei da tirada do patriarca da família. Que pena não o conhecer, pois queria agradecer-lhe por ter dito exactamente o que eu diria. Esses evangélicos são uns coitados, acabo por ter pena deles, mas como diz uma tia minha " coitados não sabem mais"

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Anónimo!

      Uma amiga minha foi convidada a ir a uma dessas igrejas, quando de lá saiu, disse-me " Eles são muito agitadinhos"

      Obrigada pelo seu comentário, boa semana de trabalho.

      Eliminar
  4. Olá Lenny!

    Que 5774 seja um ano doce a fabuloso para todos nós :D.
    Eu adorei este post: ri-me até cair para o lado LOL. Bom trabalho, querida.

    Os evangélicos fazem-me confusão, admito; mas até que têm o seu lugar na sociedade: entretêm as massas. Deus queira que um dia acabem com alguns dos ensinamentos absurdos que por lá se transmitem.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Max!

      Qualquer grupo religioso cuja idade seja menos de 2000 anos, para mim é dúbia; mas cada um de nós deve ter o direito de escolher como dirigir-se à Deus.

      As absurdidades são provas de insegurança e de ignorância. É bom fingir que se é diferente; não é?

      Boa semana de trabalho, minha linda!

      Bjcas

      Eliminar

    2. Olá, Max!

      Qualquer grupo religioso cuja idade seja menos de 2000 anos, para mim é dúbia; mas cada um de nós deve ter o direito de escolher como dirigir-se à Deus.

      As absurdidades são provas de insegurança e de ignorância. É bom fingir que se é diferente; não é?

      Boa semana de trabalho, minha linda!

      Bjcas

      Eliminar
  5. Realmente, o patriarca só poderia ter apanhado esses maus hábitos quando era católico ahahahah ;-). Maria Joaquina, não me mate!
    A verdade é que um patriarca judeu, de raiz, jamais se comportaria desta maneira para com uma pessoa de outra religião: we know better!
    Gostei imenso deste post e espero que todos tenham tido uma festa de Rosh Hashaná fantástica. Agora vem aí o Yom Kippur...oy oy oy!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Hey, hey...hey!

      You know it girl; A Maria Joaquina é cool, tem uma mente avançada.

      Os católicos também ensinam os seus fiéis a "não darem pérolas a porcos"

      Vamos receber o Yom Kippur de braços abertos; yes?

      boa semana de trabalho, girl!

      Bjcas

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço