Timor Leste Reduz Portugal à sua Insignificância


Eu, de quando em vez, contribuo para a subida dos ratings de audiência dos canais públicos de televisão; razão pela qual, no Domingo passado, decidi sintonizar-me com a RTP-África e após ouvir novas sobre Moçambique; para espanto meu, fiquei a saber do interesse de Timor em participar na reforma do sector da segurança da Guiné-Bissau, com destaque para o sector da polícia. Isto é deslumbrante se tivermos em conta que a GNR (Guarda Nacional Republicana) esteve em Timor Lorosae, integrada num contigente das Nações Unidas entre 2006-2012, sendo uma das suas funções o treino da polícia timorense...uau!

“Entre o marido e a mulher, não se mete a colher!” - os comunistas re-inventaram este conceito para “Não ingerência nos assuntos internos de outros países”. Porque será que Portugal está a seguir este modelo, quando se trata das suas ex-colónias? Porque:

  1.  Não tem capacidade negocial; a sua diplomacia é furada e incompetente; em pleno século XXI os portugueses sentem-se esmagados pela obscuridade e, ainda estão traumatizados por estrumeiras insignificantes. Quando o sr.Paulo Portas foi nomeado Ministro dos Negócios Estrangeiros, eu esperei que ele fosse dar um abanão nas relações bilaterais com os Africanos; mas, quando os foi visitar, não foi aos respectivos parlamentos pedir desculpa pela escravatura; não pediu desculpa por algum comportamento indigno durante a colonização; não quis responsabilizar os dirigentes Africanos e Portugal pela deficiência educativa em África; pela sequestração do desenvolvimento económico; pelo falta bilateral de intercâmbio comercial e cultural e pela supressão das liberdades e garantias. Foi um desapontamento! 
  2. Portugal não é um país visionário; desonrou o sonho do Infante D.Henrique, espizinhou ainda mais o pesar de Fernando Pessoa em a Mensagem (Mar Português) e está-se nas tintas para com o fado dos  filhos de África. As ex-colónias mantiveram o português como língua oficial, logo, não existe barreira linguística alguma - i.e. não vejo qual é a dificuldade de num bom português se chegar a um entendimento que beneficie todos. Por exemplo: essa caca de congratular dirigentes que ganham eleições fraudulentas tem de acabar; convencer os dirigentes africanos de que estão a fazer um bom trabalho, para os seus povos, dada as circunstâncias, é perpetuar a incompetência e o compadrio; e compactuar com os sucessivos golpes de estado na Guiné-Bissau é corrupção. Os PALOP querem e desejam prosperar, mas a falta de um parceiro credível, vai levá-los a entregarem-se nas mãos de países que se estão nas tintas para o povo; porque por regra não praticam a ingerência.

Bem sei que a Guiné é um antro de perdição: é agora um centro fulcral do negócio de drogas ilegais; é um centro de bandidagem; os militares não lutam pelo povo mas sim pelo controlo de poder com o intuito de enriquecer ilicitamente; as crianças mais pobres da nação são vendidas para a escravidão em países muçulmanos...em suma, a Guiné é um país sem rei nem roque. E é este país que está a cair nas graças de Timor; pelo bolso de quem?

Portugal, o que é que se passa no core da tua alma? Será que o Ministério dos Negócios Estrangeiros é o liason com a Tróika, e não tem mãos a medir com a crise? Será que Portugal só quer estar na ribalta quando se trata de atacar Israel, para fazer coro com os reaccionários de Bruxelas?
Vais tu, Portugal, desistir daquela ex-colónia por dá cá aquela palha?
Pelo povo guinense, fala curto e grosso e insto-te que valides os heróis que tombaram além-mar por essas nações!

Portugal preciso de continuar a acreditar que os tens na cor certa: escuros! 

Comentários

  1. Olá Lenny,

    Bem, pode-se ter dado o caso da GNR ter treinado tão bem as forças de segurança timorenses que, agora, estas se vejam perfeitamente qualificadas para treinar outros.

    Quanto à Guiné: para já é um poço de problemas. Depois, o sucesso deste contingente timorense dependerá dos objectivos traçados para tal missão; porque Angola esteve lá praticamente com o mesmo intuito e foi praticamente expulsa (com acusações de tentativa de golpe de estado - ok, ignoremos por agora os rumores de negociatas entre os militares dos dois países).
    Mas pergunto-me: estas forças timorenses não farão mais falta em Timor? Não tenho seguido o país de perto, mas acho que por lá haviam uns problemitas a nível de segurança, não?

    Quanto a Portugal: ainda é fraquito. E continuará a sê-lo até se confrontar com os seus erros do passado e assumir as suas responsabilidades históricas (e não só em relação à colónias; mas isso é uma história para um outro dia).

    Well done, Lenny :D!

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Max!

      Se calhar deu-se aquele caso em que o aprendiz suplanta o mestre; quem sabe?

      Problemas internos passam a ser um pequeno detalhe, quando o jogo de influências está sobre a mesa.

      Tenho fé neste país chamado Portugal; alguém retomará e restaurará a decência da partilha política.

      Adoro histórias...

      Thank you, darling!

      Bjcas

      Eliminar
  2. Bem, Portugal tem muitas responsabilidades chez OTAN e depois fica sem tempo para contribuir para as suas ex-colónias. E depois, ainda se sente ou envergonhado por ter tido a lata de ter colónias ou, ainda está ressentido por ter tido que as largar...de qualquer maneira, já era tempo de pôr tudo isso para trás das costas e fazer uma melhor figura no palco internacional, caramba! Shabbat Shalom para todos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hey, you!

      Não me faças começar a rebolar no chão de tanto rir; ok?

      Portugal tem de entender que, se quer ser abrangente na cena internacional, tem de se aliar primeiro, com quem o conhece e só depois poderá partilhar a sua experiência existêncial como país soberano.

      Shavua tov, girl!

      Eliminar
  3. Ora essa, porque averia portugal de ajudar a guiné bissau ou outra qualquer ex-colónia? Não cabe a nós responsabilizarmos por países que lutaram pela independência! São independentes, que se amanhem! E portugal não fica mais diminuido por isso, mas sim por este neo-liberais que nos tentam explorar isso sim!!! Tenham mas é juizo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olhe, o menino tem de aprender a escrever o verbo "Haver". Deus o abençoe e o ajude a livrar-se desse pensamento comunista que só prejudica a humanidade!

      Eliminar
    2. Olá, Anónimo!

      Portugal pode e deve ajudar a Guiné Bissau; primeiro por ser exactamente uma ex-colónia em confusão total, depois porque ambos são membros da CPLP(comunidade dos Países de Língua Portuguesa)e estas organizações existem para se auxiliarem mutuamente.

      Portugal não quer nem deve responsabilizar-se por terceiros, mas deve solidarizar-se pelo sofrimento do povo da Guiné.

      Portugal fica diminuído se continuar a agir como se fosse um velho de 870 anos, lento e impotente.

      Cumprimentos

      Eliminar
  4. Taí um assunto que não posso dar o meu pitaco, mas grosseiramente, Portugal está passando por situações de descontrole interno, porque haveria de abraçar o mundo com os pés?
    Bom fim de semana!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luma, o presente descontrole português é o resultado de várias situações que se têm vindo a acumular ao longo dos anos - i.e. não é algo de novo; só que agora parece estar tudo do avesso porque, pela primeira vez, se está a fazer alguma coisa para combater o descontrole.
      Contudo, isso não é desculpa para Portugal fugir das suas responsabilidades, ou estarei equivocada?

      Para além disso, muitos países estão a passar por "situações de descontrole interno" e no entanto estão a abraçar o mundo não com os pés, mas sim com o dedinho do pé - quando olhamos bem no fundo dos seus olhinhos e vemos a nação sem infrastruturas de qualidade, níveis de pobreza (que Portugal desconhece), e descontentamento de um público que só deseja o mínimo dos mínimos num país que se diz democrático...

      Eliminar

    2. Olá, Luma!

      A crise não é desculpa para coisa alguma.
      Portugal é um país democrátiso e de direito; é um país com um bom sistema educativo (seja público ou privado), as nossas infra-estrututas são fabulosas, o nosso serviço nacional de saúde é invejável, a nossa segurança social é fantástica; o problema foi a má gestão do erário público com a criação dum pseudo estado social.

      Quando meia volta os militares guinenses resolvem brincar as guerrinhas, os guinenses mais abastados fogem para Lisboa, onde sofrem abusos; os mais pobres ficam por lá sem saber o que fazer á vida; por tudo isto, como parceiro da Guiné na CPLP(Comunidade dos Países de Língua portuguesa), portugal tem a obrigação de usar a sua voz em defesa de um povo com o qual tem laços de sangue.

      Quanto a abraçar o mundo com os pés, todos os países o fazem; por exemplo o Brasil perdoou $900 milhões aos paíse Africanos; vai construir em Moçambique um processador de água potável; até aqui nada de mal, mas quando na TV Record se mostra a luta pela sobrevivência de famílias no Maranhão, onde uma família de sete pessoas dorme num casebre de uma única divisão; sem água corrente nem potável e a sua mísera renda provém de partir castanhas: apetece gritar de raiva mas, hey... that's pilitics for you; right?

      Luma, bom te ver por aqui, obrigada pelo teu comentário e bom fim-de-semana!

      Eliminar
    3. Então, eu me envergonho do atual governo do Brasil, que foge às responsabilidades da casa para fazer graça em países que nada tem de sua responsabilidade. O que o Brasil tem a ver com um país que perdoada a sua dívida, seus governantes continuam a ostentar? Mas não é o caso de Portugal que se sente responsável por uma nação que lhe foi colônia e que ainda os habitantes estão por suas ruas? Parece até algo muito recente... mas já pensaram se o Brasil em crise, se comportasse como qualquer ex-colônia portuguesa?
      Do mesmo modo que penso, o governo brasileiro precisa pensar primeiro em seus cidadãos antes de fazer graça no exterior, o mesmo se aplica a Portugal. Nessa altura do campeonato, cada um por si!
      Sorry, mas a verdade é dura!

      Eliminar
  5. Portugal tem antes de mais de não esquecer todos aqueles que lutaram na guerra colonial. São muitos os que serviram nas nossas forças armadas, pretos, mulatos, brancos etc. que lutaram pela nossa Pátria, e que depois do 25 de abril de 1974, foram abandonados e esquecidos.
    Nessas condições há muitos da Guiné, de Angola e de Moçambique. Esses sim devem ser ajudados. Portugal tem uma obrigação moral para com todos eles. Vca

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais, Victor! Obrigada pelo teu comentário :D. Um abraço

      Eliminar

    2. Olá, Victor!

      O problema dos ex-combatente é uma grande mancha na História de Portugal.

      O ministro Paulo Portas, quando ocupou a pasta da defesa, prometeu resolver o assunto; nada vi.

      Obrigada pela tua contribuição.

      Um abraço

      Eliminar
  6. Até os estados unidos estão mais engajados em áfrica do que portugal,porque já reconheceram a importância estratégica do continente para os seus interesses nacionais. Portugal deveria reconhecer a importância das ex-colónias africanas para os seus interesses nacionais (mercados importantes para onde poderemos exportar produtos), mas feitos pacóvios ainda achamos que os negros nada nos podem oferecer...pois sim!

    Não concordo com a leitura feita por uma comentadora de que portugal não poderá abraçar o mundo com os pés devido ao descontrole interno...mas o brasil, a rússia, a china e a áfrica do sul podem? Olhem bem de perto para esses países e digam-me se a qualidade de vida deles é comparável à nossa? Sim, distribuem fundos pelo mundo, investem aqui e ali mas o que fazem pelo seu povo? Quase nada como bem se vê!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Carla!

      O país desde que caíu nas mãos dos socialistas, a sua política externa tem sido basicamente a Europa e pouco mais.

      Grandes oportunidades de trocas comerciais que foram simplesmente desperdiçadas; um pequeno exemplo: Sabias que os espanhóis coontrolam o mercado do marisco em Moçambique?
      Até me dizem que as fábricas de texteis compram algodão a Indonésia; dá para acreditar?

      Os Brics sabem muito, mas andam a pé;)

      Boa semana de trabalho e um abraço

      Eliminar
  7. A Lenny falou bem: as ex-colónias africanas prestaram-nos homenagem ao manterem a língua portuguesa como a sua lingua oficial e como é que lhes retribuimos o gesto? Com indiferença. Não sei o que se passa com o nosso país mas parece viver numa letargia crónica! Tal como Pessoa ainda estou à espera da concretização de portugal! Estamos quase a celebrar 100 anos desde que Maria, mãe de Deus, nos visitou; talvez a partir daí o nosso bem amado país acorde! Deus vos abençoe a todos!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Maria Joaquina!

      Acha que, com esta raça de políticos, chegaremos a ver cumprir-se o imenso Portugal?

      Espero sinceramente que, Nossa Senhora de Fátima continue a velar zelosamente pelos Portugueses.

      Deus a abençoe a si também, Maria Joaquina

      Um abraço!

      Eliminar
  8. Hahahaha os comentários são o melhor deste blogue. Parabéns aos autores do mesmo e aos seus comentadores! Olhem, talvez me junte a vocês; bem, já o fiz :-). Comentarei mais para a próxima porque pouco sei sobre este assunto, confesso. Até à próxima, amigos!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Carlos!

      Muito obrigada pela sua visita: apareça! :-)

      Um abraço!

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço