Crise Entre a UE e Israel: 30 Moedas de Ouro


Historicamente os judeus foram escravizados pelos Egípcios; Assírios; Persas; Babilónios; Romanos; dizimados pelos Alemães; destituídos pelos Ingleses e agora perseguidos pela União Europeia.
Os pretos tiveram a sua quota, pois, foram escravizados pelos Europeus, pelos emigrantes brancos na América do Norte, pelos emigrantes brancos no Brasil e hoje pelos países Árabes.

Os pretos e judeus partilham portanto a mesma condição humana; mas uns e outros preferem ignorar este denominador comum e escolhem representar um papel diverso da sua realidade: alguns judeus buscam incessantemente e em vão o reconhecimento da sua alvura por parte dos caucasianos; alguns pretos (principalmente nos EUA), por se sentirem constantemente desrespeitados pelos brancos, servem-se da sua frustração para, lamentavelmente, pronunciar as maiores barbaridades contra os judeus.

Vivemos num mundo global onde tudo está a descoberto; e, porque todos sabem uns dos outros, a interacção político-social deveria também evoluir. Contudo, a União Europeia parece não entender as nuances da fidelidade, especialmente em relação àqueles com quem partilha os mesmos valores.
A UE revelou uma grande insensibilidade, visto que no Tisha B’Av (dia do grande Jejum pela destruição do 1º e do 2º Templo) anunciou que entrará em vigor, a partir de janeiro de 2014, uma Directiva onde se aconselha o uso da designação “produzido em Território Ocupado” a tudo que seja manufacturado pelos judeus na Samaria e Judeia; onde se aconselha ainda aos 28 países a não financiarem projectos judaicos que incluam a Judeia e a Samaria; etc...
 
O Egipto está a ferro e fogo, a Turquia está um pandemónio; o Brasil está uma bagunça; até a UN veio dizer que a mortandade na Síria é comparável ao genocídio do Ruanda (quão conveniente é o Ruanda, agora...); a África sub-saariana está um desastre (porque a troco do petróleo e de controle do fluxo de emigrantes árabes muçulmanos, a Europa doou o continente negro à expansão islâmica). A paz e o desenvolvimento africano estão reféns nas mãos de ideólogos islâmicos que crêem num deus vil e sádico, gente essa que quer usurpar os minérios africanos a troco do anti-progresso intelectual, tecnológico e industrial; que é apologista da violência e inferiorização da mulher e, advoga a supressão da liberdade de escolha porque através do terror quer banir o animismo e o cristianismo em África. Os políticos e religiosos europeus não agem porque há mais de 500 anos haviam decidido que os pretos são inferiores a todas as outras espécies existentes no mundo (veja-se o que disse o senador italiano Roberto Calderoli referindo-se à Ministra italiana para a integração).

Na Europa o desemprego está fora de controle - a OCDE veio esta semana dizer que ainda iria piorar antes de melhorar – o investimento estagnou; a competitividade é nula e o crescimento sombrio. Perante este quadro, querem os políticos europeus convencer-nos de que é premente resolver o infindável processo de picardia entre os ditos palestinianos e os israelitas e, que o desemprego dos jovens; o desespero dos operários com baixos salários e o constante sobressalto das mães solteiras (com medo de ficarem desempregadas) não são problemas, mas antes lições de vida?

Os árabes que invadiram o mundo Ocidental - primeiro, com a ameaça de não nos venderem o petróleo, depois com investimentos maciços e por último com ataques terroristas (Nova York, Madrid, Londres e França) - estão-se a rir a bandeiras despregadas porque vão finalmente conseguir concretizar o seu sonho: a criação do califado global, a partir do interior do próprio Ocidente, porque os seus centros culturais descobriram que há sempre uns políticos ocidentais prontos a aceitar as 30 moedas.

Aos Africanos orgulhosos das suas nações, cultura e povos: digam NÃO aos presentes envenenados dessas Fundações Árabes porque à primeira vez que lhes façais frente, o vosso país irá receber a visita de uma juventude islâmica feita à pressão.
Aos judeus: sabéis que a perseguição vos persegue por isso “Genesis 28:15; e Deuterenómio 1:21, 29, 30, 31” é tão verdade ontem como hoje.

Querem os políticos europeus convencerem-nos de que pelo facto de Israel se recusar a construir o muro de Berlim e, dividir ao meio a sua capital (Jerusalém); este minúsculo país passou a pertencer à categoria dos países do Eixo do Mal?
Pois bem, Bruxelas, para não dizer outra coisa, cá vai: “C’est vraiement pas le moment de déconner! Et pourtant, vous déconnez encore”!

Comentários

  1. Respostas

    1. Olá, Anónimo!

      Obrigada, pela sua subscrição!

      Um abraço

      Eliminar
  2. Uma no cravo outra na ferradura: a UE espeta uma faca nas costas de Israel com estas directivas mas finalmente concordou em designar o Hezbollah como grupo terrorista! Uffaaa...custou mas foi!
    Toda a gente sabe que muitos dos Euro-tipos estão no bolso de grupos Islâmicos e os seus institutos/centros culturais etc. Os que não estão, na maioria das vezes, nem é informado acerca de certas decisões...daí serem somente directivas e não leis! Mas Lenny, já disseste tudo: 30 moedinhas de ouro!

    Muito bom este artigo e obrigada por defenderes Israel! Shalom!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hey, girl!

      Alguém afirmou e muito bem que "Money is the sweetest hangover..."

      Quanto a Israel só três palavritas: Unidade, trabalho e vigilância....;

      Shalom e boa semana de trabalho!

      Eliminar
  3. Infelizmente a europa faz sempre a mesma coisa, Lenny! Secretamente ainda aspira a acabar com os judeus e como agora não os pode enfiar em campos de concentração (era só que faltava: agora temos um país), tentam atingir Israel a todo o custo!
    Sim, as moedinhas de Judas pagas por certos grupinhos de interesses arábicos...ai, cala-te boca!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Carla!

      Os europeus perderam o norte; podem tentar tudo o que quiserem, o Deus que elevou os Israelis como um povo diferente de todos os outros povos, é ainda o mesmo.

      Obrigada pelo teu comentário, minha querida!

      Eliminar
  4. Sem comentários!
    A UE que se vá lixar: hipócritas!! Mas quem ri por último...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Celeste!

      So true... so true, darling!

      Boa semana!

      Eliminar
  5. Respostas

    1. Olá, Maria Joaquina!

      Os EU em Bruxelas, não cessam de me espantar, pela negativa como é óbvio.

      Sinto a sua indignação, minha cara!

      Boa semana, minha boa amiga!

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço