A Comunicação Presidencial Agitou O Bazar da Bugiganga Política

Mercado em Harar, Etiópia (Fonte: Marcelo Lessa)

A comunicação feita pelo sr. presidente da república aos portugueses, na passada quarta-feira, parece ter sido unicamente compreendida pelos francófonos, anglófonos e castelhanos e, baralhou por completo os lusófonos.
Dever-se-á culpar o acordo ortográfico, e a sua contextuação no texto? A verdade é que após a existência deste, os falantes do sucedâneo da língua de Camões não conseguem decifrar um texto bem estruturado e compreensível. Por isto, está mais que na hora de as redacções dos mass-media contratarem professores da língua portuguesa, a tempo inteiro.

Pode-se também dizer que, ao começar por dar uma aula sobre a situação real do país e as consequências de umas eleições antecipadas, o presidente da república sobrestimou a capacidade dos portugueses para reter informação; porque  quando chegou o momento de expôr os três pontos para a resolução deste lamaçal, os portugueses (de todos os estratos sociais) nada entenderam.

Caro leitor, eis o coração da comunicação presidencial:
1- O país está lixado; o desemprego é gritante; o povo está na corda bamba; o ministro das finanças não aguentou a pressão; necessitamos de dinheiro emprestado para limpar e reorganizar o país; e porra... como se tudo isto não bastasse, eis que o ministro dos negócios estrangeiros, Paulo Portas, resolveu fazer negociatas na pior altura de todo este processo.
2- Faltam dois anos para as legislativas; porém, não haverá eleições antecipadas para ficar tudo na mesma. Logo, apelou-se ao sentido patriótico, e de estado, dos três partidos (PS, PSD e CDS) que subscreveram o memorando de entendimento com a União Europeia e o FMI.
3- Embora este governo seja legítimo, tem um parceiro volátil; por isso, precisa de um acordo de entendimento urgente com o PS (ou seja, o PS controla as ruas; não poderá opôr-se despropositadamente às reformas por si negociadas com a tróika; findo o prazo do Programa de Ajustamento, em junho de 2014, os três partidos poderão iniciar o processo de eleições antecipadas e, em troca, se por acaso o PS ganhasse as eleições sem maioria, os partidos que agoram estão no poder apoiariam uma legislatura do vencedor das mesmas).

Ao contrário da leitura que muitos fizeram, o presidente Cavaco Silva não provocou o caos; não convocou eleições para Junho de 2014 e, certamente, não exigiu um governo do bloco central. O presidente confirmou o mandato do governo conferido pelo povo português nas urnas. O presidente apelou à estabilidade política nacional.

Ora, essa estabilidade só será possível se os partidos relevantes (PSD,PS,CDS) tomarem as rédeas do país, isolarem o partido comunista e os seus capachos da Inter Sindical, mostrarem firmeza e determinação proibindo que a casa do Povo Português, e seu local de trabalho, seja invadido por meliantes sem ocupação. Será que neste bazar o PS saberá controlar as ruas e, será a coligação capaz de governar e, por fim, aliviar o sofrimento dos portugueses?  

Comentários

  1. Que vergonha! Como é que é possível a estranjeirada ter analisado e interpretado melhor a comunicação de Cavaco Silva que os lusófonos?
    O tom de pânico dos analistas; os jornalistas a dizerem que o presidente havia convocado eleições antecipadas para daqui a um ano; gente a dizer que o presidente estava a ficar chéché...mas o que é isto?! Agora entende-se o porquê da média nacional dos exames de português ser +/- 8%...8% Lenny! Metade dos alunos que fizeram o exame chumbou!!

    Obrigada por esclareceres este povo, pá! Tá tudo cego ou doido ou então...trabalham para o gajo da Pimco (que está sempre a agoirar contra portugal...para ganhar uns cobres). Shabbat Shalom!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E como é possível a Ana não saber escrever estrangeirada? Ai, ai, ai!!! Está para aqui a criticar os jovens que chumbaram a português... :-)
      Mas de resto concordo consigo!!

      Eliminar

    2. Olá, Carla!

      Foi um lapso, mas também pode-se ter dado o facto da Ana estar a beber uma laranjada!Lol,lol...

      Um abraço

      Eliminar
    3. Ó Carla, foi um lapso...mas também é verdade que estava a beber laranjada AHAHAHAHAHAHA :-)!

      Eliminar
  2. Hey, hey, hey...

    Tenho pena dos alunos deste país! Eu, até concluir o liceu, tive dois professores e dez professoras de português; devo confessar que tanto eles como elas levavam a sério o seu papel de mestres; eles estavam ali para transmitir conhecimento e entendimento da matriz da língua portuguesa; eles não estavam ali para competir com os seus alunos. Para os meus professores, os seus alunos estavam sempre em primeiro lugar, visto serem por eles considerados as estrelas que iriam alumiar o amanhã.

    Hoje os professores não querem ser mestres, querem o stora(e) antes do nome; não querem servir, querem que os alunos lhes prestem vassalagem; capice?

    Infelizmente, os nossos filhos estão nas mãos de gente menor com um canudo. Que fazer quando o establishment está por conta dos filhos de um deus menor?

    A Pimco é só uma das maiores empresas com o maior portofólio de Títulos e Obrigações do Tesouro. Se calhar, na semana passada, precisava de fazer uma negociata lucrativa com os títulos/obrigações portugueses e, toca de telefonar ao Paulo Portas, para fazer aquele "corridinho". Como diria a Rita Ferro "mais não digo..."

    Shabbat Shalom!

    ResponderEliminar
  3. Lenny, mas será que o PS tem mesmo capacidade de controlar as ruas? Se fosse no tempo de Socrates, talvez; mas este Seguro não os tem no lugar, se é que me entende!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Carla!

      Entendo-a bem, minha cara; mas por Portugal, penso que ele deveria fazer uma busca pela grandeza da sua alma e, transformar as tripas em johnsons!? Era o que eu faria, se eu fosse líder do PS; depois calaria todos os corócas do partido, e focar-me-ia no país, no povo, e em amarrar bem o PSD e CDS, para quando ele subisse ao poleiro. Isto sou eu a divagar...

      Obrigada pelo seu comentário.

      Um abraço

      Eliminar
  4. Na minha opinião o presidente só complicou tudo porque falou um português demasiado puro, claro e lusitano: o povo já não entende esse tipo de português! Se ele tivesse dito "Manos, há maka em Portugal! A Economia está bué malaika!" e por aí adiante a maioria teria compreendido melhor! Olhe, Lenny, está tudo de pernas para o ar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, amiga!

      Maria Joaquina, como eu a compreendo!

      Ninguém está a jobar; os bolsos estão sem uma quinhenta; isto está maningue mal! :P

      Um abraço e obrigada!

      Eliminar
  5. Lenny, o presidente foi muito inteligente na sua estratégia! Ele sabia que o PS não teria a coragem política para seguir o seu conselho e, assim, garantiu um governo estável (remodelado) sem ser ameaçado com eleições antecipadas ahahahah. Como diriam os jovens: ganda melão para a oposição!
    Portugal saiu melhor desta crise.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço