Ganância: Cavalo e Burro na Comida Processada

Pérola algures no Alentejo

Todos aqueles que têm noções de Religião e Moral sabem que a ganância é um dos sete pecados capitais. Mas para alguns, a ganância não passa de uma verdade relativa, e até de uma mera subjectividade, porque a sua prática não conduz à morte física do seu praticante e, raramente são palpáveis os danos morais (i.e jamais se conhece a verdadeira face do indutor da inconsequência).

Pois bem, o mundo está em estado de choque com a indústria alimentar, porque os seus parâmetros foram ignorados, supostamente, em nome do lucro fácil.
Há quem se delicie, livremente, com carnes mais exóticas do que aquelas, que  só agora, foram detectadas nos alimentos processados; mas agora impingirem essas “delicatessens” e até misturarem-nas com carnes proíbidas, (religiosamente falando) para alguns, isso não é negócio: é uma experimentação macabra.

Detesto embarcar na teoria da conspiração, contudo, este escândalo da fraude na comida, faz-me pensar numa passagem do livro do falecido Dr. David Servan-Schreiber, onde ele afirmou existir uma estreita correlação entre o aumento do número de vítimas de cancro e as indústrias farmacêutica e alimentar.
Mas agora que olho para esta batota descarada, suspeito que até os políticos estejam envolvidos.

Eu sou a favor de tudo o que catapulte o desenvolvimento do intelecto, da razão, da moral, do espírito e do socio-económico; sendo este último somente conseguido através de um agregado de três coisitas: capitalismo ético, espírito empreendedor e uma pitada de ganância racional.

Mas...mas, o que se veio agora a descobrir é a face do cinismo no seu melhor; porque já estou mesmo a ver o que foi que aconteceu: os fabricantes de comida "à pressão" deviam dinheiro ao cartel dos bancos e, estes durante a cobrança da dívida, sugeriram aos devedores que pusessem a criatividade a funcionar – tal como eles haviam feito outrora quando cometeram a mãe de todas as fraudes, e depois obrigaram os governos a refinanciarem os seus bancos.

O cartel da indústria alimentar reuniu-se e decidiu lixar alguém: os produtores da carne de vaca e o consumidor. Contrataram uns médicos que por acaso trabalhavam para a indústria farmacêutica, que vendo a enorme possibilidade deste negócio, trataram de dizer ao cartel dos bancários (seu irmão) para reforçar os empréstimos ao cartel da indústria alimentar (seus primos).
Dado o ponto, faltava o nó, e este chama-se político-legislador, que entretanto fora inundado com alguns milhares de plata, para se concentrar no refinanciamento dos bancos e deixar a indústria alimentar à vontade. Com o excedente do “cacau” o legislador deveria regulamentar sobre tolices sem sentido.

Meus caros, façam os vossos próprios hamburguers e salsichas. Com um bom wok poderão até fumar a vossa carne; porque ganância não é pecado mortal, é sim um emaranhado de negócios complexos, jogado em plena luz do dia tal qual a vermelhinha; cujo onús recai letal, única e exclusivamente, sobre o consumidor.

Comentários

  1. Epá, Lenny...não como carne de cavalo (como deves imaginar), mas mesmo para aqueles que comem é aborrecido comprar um produto crente que se trata de A quando na verdade é B ou mesmo A1+B2 e sabe-se lá mais o quê! Ninguém está a salvo! A Max há muito disse para voltarmos ao básico: pá, estou com ela!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hey, girl!

      Em algumas coisas, eu já voltei ao básico: faço o meu pão que, dura uma semana, sem ganhar bolor.
      As pessoas que inventem um novo hobby: preparar os seus alimentos e congelá-los num frigorífico da GE ou MIELE, duram à vontade duas semanas.
      Bjcas

      Eliminar
  2. Olá Lenny,

    Huh, gostei desta quase-teoria da conspiração ;).
    Concordo com a Ana e, acrescento que o pior de tudo é misturarem carne de porco em produtos direccionados às comunidades judaicas e muçulmanas. É uma total falta de respeito.

    Estás a imaginar a nossa pérola num hamburguer do MaC?

    Bom trabalho, querida :D.

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Max!

      Este tipo de falta de respeito deveria ser passível de pena de prisão; porque além da sua religião proibir, algumas dessas pessoas, ficam com erupções cutâneas, depois de consumirem a carne de porco.
      Tadinha da pérola...
      Bjcas

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço