Quando a Necessidade Aguça o Engenho

Mulher Fritando Ovos de Diego Rodriguez y Velázquez

Os países Ocidentais, com os cumprimentos da esquerda complacente e da direita reaccionária, estão quase no ponto de serem alvo de chacota dos Árabes que tanto fizeram para os pôr de joelhos e, feri-los onde mais lhes dói: dinheiro..!
Não há plata, os pobres estão paupérrimos, a classe média está empobrecida, os ricos vão andando e os bilionários estão na expectativa; contudo, noutro dia ouvi uma boa notícia: o povo está a reagir, em alguns países.
“Como?” perguntar-se-á o caro leitor...pois bem, regressando a um dos pilares da evolução humana: do it yourself!

Em espanha, elementos duma família juntaram-se a outro membros, que haviam ficado desempregados, e começaram um negócio familiar de queijos. Em Itália, as mammas trabalhadoras, aos fins-de-semana, aproveitam o tempo e, juntamente com os seus bambini, fazem o pão, a pizza, as pastas e outras coisas, para se manterem à tona. As crianças pareciam estar felizes por participarem no plano de contingência (convenhamos, a comida pré-feita é uma porcaria e, faz mal à saúde).

Quando era menina e moça, como parte da minha instrução, tive disciplinas como Higiene, puericultura, economia do lar e culinária. Já vos vejo todos divertidos com tal “inferioridade”, e decerto foi esse o pensamento que imperou no pós-revolução de Abril, porque as disciplinas acima mencionadas foram totalmente eliminadas do currículo escolar. Resultado: total inépcia das massas para enfrentar uma crise económica.
Olhando bem para as pessoas (i.e. como comem e vivem), eu diria que uma simbiose daquelas magníficas disciplinas teria sido uma mais-valia em termos socio-económicos, visto que cada família seria uma pequena unidade fabril; e, as doenças causadas pelos químicos utilizados na conservação alimentar iriam diminuir. Mas que sei eu; não é?

Caro leitor, nas alturas de crise criam-se quase sempre as coisas mais extraordinárias, ou seja, a necessidade aguça o engenho. Logo, seja o seu próprio governo, faça um tratado com a sua imaginação e proponha-se a restaurar a dignidade e segurança da sua família.

Até para a semana e seja próspero!

Comentários

  1. Olá Lenny!

    Também acho que as pessoas devam deixar de depender do estado e fazer mais por si (como aliás já aqui o disse inúmeras vezes).
    Eu não tive nenhuma das disciplinas aqui mencionadas, mas como a minha mãe as teve transmitiu-me o conhecimento e, gabo-me de tal enriquecimento. Não sou uma chef mas se tivesse filhos eles não passariam fome nem seriam alimentados com lixo (i.e. McDonald's e afins).

    Ao olhar para a crise que assola o continente Europeu, penso que seria bom a sociedade voltar aos tempos em que se ensinava às pessoas como viver (e sobreviver). Já lá vai o tempo em que achava piada quando algumas mulheres diziam "Não sei nem fritar um ovo!"...hoje, quando as oiço dizê-lo tenho pena delas.

    Muito bom este teu artigo, Lenny: amei! É útil e digno do verdadeiro activismo político.

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Max!
      esquece estralar um ovo, não é tarefa fácil, porque quando se trata de confeccionar esta célula, cada cabeça sua sentença. O pior são aquelas pessoas, como a minha prima (Deus abençoe o seu coração), que não sabem limpar uma casa de banho; limpam-na mas parece que não foi limpa...
      Obrigada, por passares por cá.
      Bjcas

      Eliminar
    2. Lenny,

      Credo: não saber limpar é pior que não saber cozinhar. Mas enfim...Deus abençoe a tua prima.

      É um prazer passar por cá :D.

      Bjcas

      Eliminar
  2. Isso era dantes, Lenny: quando as mulheres sabiam que tinham de saber fazer tudo senão...sabe Deus. Hoje em dia, elas confiam no Take-Away; no McDonalds, no Pizza Hut, no Burger King - fome, não passam. Depois, quando ficam gordas que nem um porco, sentam-se no seu sofá cheio da roupa que não sabem passar e enchem-se de gelados porque ninguém as quer; ninguém entende aquele pneu nas costas (herança directa dos hamburgueres)! Saber limpar, para quê? Telefona-se à Molly Maid e as imigrantes cabo verdianas que venham limpar, ora essa...Deus me livre espatifar as unhas falsas!!

    Ai, ai, Lenny...ai, ai...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hey, hey..!
      Ana. minha cara, sempre tão generosa; lol lol lol
      Até sexta!
      Bjcas

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço