Textos: O Caminho do Guerreiro

A Profetisa Anna de Rembrandt
O que, Sou Eu?

Um buscador fecundo de lágrimas; uma bola de riso.
    Quem, sou eu?
Sou o que sou; uma voz silenciada. 
    Onde, sou eu?
Um Universo desconhece limites: excepto ele mesmo.
    Quando, sou eu?
Agora as águas fluem, e agora param.
    Porquê, sou eu?
O vento espalha pó, mas de repente
um grão não é um grão, mas uma semente de esperança.
    Como, sou eu? 
A ave canora não questiona a sua origem.
Vive somente, renascendo a cada dia. 
    Uma Infinita, Alvorada.      -- Stephen Cheney (traduzido por Max Coutinho)

Este poema lindíssimo foi-me trazido pela Redactora desta blogue. Para além dele evocar em mim profundas questões existenciais; também me levou a ponderar acerca da importância da análise e interpretação de textos. 

Se um indivíduo for capaz de analisar e interpretar um texto, ele será capaz de comunicar como deve de ser com os outros - ele irá transmitir a sua mensagem com eficácia e, compreenderá melhor as mensagens obscuras contidas nas conversas de outras pessoas. 
Ao ensinarem às crianças a arte de interpretação de textos, os professores nunca lhes explicam o quão útil essa arte é; também nunca lhes transmitem que ao mestrarem a arte, poderão vir a ser diplomatas, detectives e agentes dos serviços de informação etc de grande sucesso; o que é lamentável, porque se o fizessem iriam encorajar as crianças a prestar mais atenção nas aulas e, fá-las-iam estar desejosas por um futuro mais interessante. 
Um texto (seja sob a forma de poema ou prosa) reflecte a alma humana; e, por essa razão, quanto mais se ler, analisar e interpretar, mais se conhecerá e compreenderá a alma dos seres humanos, o seu comportamento e a sua natureza. 

As relações humanas são vitais em todos os aspectos da vida; contudo, só irei abordar, e muito brevemente, os campos da Política e da Segurança Internacional. 
Na Política, é extremamente importante saber como lidar com os seres humanos (com o seu ego, as suas vaidades e ambições); é crucial saber como eles reagem à situação A ou B; e, é imperativo compreender até onde estarão dispostos a ir para atingir os seus objectivos, senão será muito difícil fazer-se o que tem de ser feito. Os Políticos deveriam ser rápidos a identificar os "Niccolò Machiavelli"; os "Mr. Jaggers", as "Molly", os "Gatsby", os "Mathew Shardlake" presentes numa sala. Eles deveriam sentir-se confortáveis em lidar com os "Bórgia" e os "Médici".
Na Segurança Internacional, é essencial conhecer e compreender profundamente os humanos, como base para estudar suspeitos; analisar o seus passos e comunicações; interpretar o significado dos seus contactos e, deste modo, antecipar os seus actos terroristas. 
Através do estudo de textos uma pessoa pode prever o futuro, formar estratégias e combater. 

"Diz-se que o Caminho do Guerreiro é Caminho duplo da pena e da espada, e que ele deveria ter gosto pelo dois Caminhos" (Miyamoto)

Comentários

  1. Mas que poema mais profundo! Não sou lá muito fã de poemas, mas este acabou comigo porque sim, o que é que somos de verdade? E será que temos o direito de questionar a nossa origem ou ainda o propósito de aqui estarmos? Quanto à interpretação de textos, yah se os meus professores me tivessem explicado para o que serviria aprender os Lusíadas e as figuras de estilo e tudo aquilo, talvez eu tivesse prestado mais atenção nas aulas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Carla :D!

      De facto é um lindo poema que nos faz reflectir.
      Pois é...sempre critiquei aqueles professores que diziam "Isto não vos vai servir para nada lá fora, mas têm de aprender na mesma" - é uma coisa horrível de se dizer; depois de algo assim qual é o aluno (sem inclinação académica) que queira dar uma oportunidade à escola?

      Obrigada, querida pelo teu comentário :D.

      Um abraço

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço