Passos Coelho Incauto cai na Rede das Escutas

Adoração dos Reis (detalhe) de Pieter Bruegel the Elder 

O Primeiro Ministro de Portugal terá confessado a sua perplexidade perante o facto de ter sido inadvertidamente apanhado numa escuta telefónica. Como era de prever, explicou-se do seguinte modo:  “Estou muito consciente das minhas conversas privadas ou telefónicas” e “não tenho receio que alguma coisa que tenha dito venha ao conhecimento público” – ah... então está certo!

Tenho a certeza que o PM está, também, consciente de que Portugal é um país sofisticado em termos de instituições que fiscalizam a acção governativa; tais como a Assembleia da República, os partidos políticos, as associações cívicas, o presidente da República, os Tribunais, e finalmente a Procuradoria Geral da República (que agora veio ilibar o Primeiro Ministro). Se “quem não deve não teme”, por outro lado “o segredo é a alma do negócio”; e assim sendo, porque raio acha o governo que deve, por tudo e por nada, vir à praça pública discutir todos os minúsculos detalhes sobre a implementação das suas políticas?

Sr. Passos Coelho, V.Exa. é o primeiro Ministro de Portugal, não está mais no Corporate world onde prolifera o facilitismo e tudo está ao alcance de um telefonema. Compreendo a ideia de que permanecer fiel ao que era, antes de ocupar o cargo ministerial, seja da sua preferência; porém, detalhe: o seu estatuto mudou, logo a frivolidade e a informalidade não devem fazer parte do papel que agora desempenha.

Quando a história das escutas veio a público, o PM declarou a sua tranquilidade. Dadas as histórias do ex-PM Sócrates e de Armando Vara, fui invadida pelo espírito de incredulidade e disse para comigo “ou Passos Coelho possui uma inocência admirável ou vive num estado de negação sem paralelo”. É impossível que o Primeiro Ministro, no fundo do seu íntimo, não se tivesse apercebido que a sua distracção fizera, ainda que momentaneamente, com que o seu nome fosse gratuitamente enlameado.  

Caro PM, apesar de tudo, nós estamos a encarreirarmo-nos, e não nos apetece acabar desgastados nem agravados de tanto defendê-lo dos que, sem conhecimento de causa, o vilipendiaram devido à sua ligeireza.
Votei em si e espero que cumpra o seu mandato até ao fim, porque é do conhecimento geral que o PSD é useiro e vezeiro em derrubar os seus líderes por dá cá aquela palha; por conseguinte, não arranje inquietações desnecessárias ao Povo Português.  

Coloque o telefone de lado e aprenda a fazer uso de uma arma, inovadora e extremamente segura: a convocação ao seu gabinete!

Comentários

  1. Olá Lenny,

    Parece-me que haja um problema crónico em Portugal: fala-se demasiado.
    O primeiro ministro (assim como o presidente) e os ministros deveriam ser guardados pelo SIS, pelo SIED, pelo SIEDR...qualquer um que estivesse dentro destas competências (confesso ainda não ter estudado bem os serviços de informação Lusitanos); mas a verdade é que os que lideram o país, os que detêm segredos de estado, não deveriam estar ao dispôr do cidadão comum - o seu acesso deveria estar vedado e as comunicações deveriam ser filtradas pelos serviços secretos.

    Mas aparentemente isto não é prática em Portugal e, o resultado está à vista. É lamentável.

    Beijocas e óptimo trabalho como sempre.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Max!
      Já diz o ditado: "quem muito fala, pouco acerta"
      Quanto ao serem guardados, tenho a certeza de que o sejam; mas, quanto ao protocolo comportamental conducente com um cargo superior, tenho as minhas dúvidas.
      A policia política e secreta (PIDE-DGS) do regime facista, em Portugal, provocou sérios traumas a muita gente. Hoje, devido a esse facto, os Agentes dos serviços secretos, são tratados como se fossem uma rapaziada que está ali para fingir que sabe coisas recônditas, e nada mais. A sua pericia em termos de segurança interna e externa é ignorada pelos políticos; e quando estes atingem posições de chefia, preferem confiar nos seus comparsas partidários; como o afirmaste: é lamentável.
      Obrigada e Bjcas.

      Eliminar
    2. Lenny,

      Está mais que na hora de deixarem os traumas para trás. Estamos no século XXI, numa era cheia de desafios e perigos para os quais Portugal precisa de uma Secreta forte e bem organizada; com protocolos "conducentes com um cargo superior".
      A desculpa da PIDE-DGS não pega mais.

      Beijocas

      Eliminar
    3. Max,querida
      Recalcamentos, sublimações; recalcamentos, sublimações; e novamente recalcamentos. Como podes ver não há vida para além disto, em Portugal.
      Bjcas

      Eliminar
  2. Lenny, o que raio quer dizer “Estou muito consciente das minhas conversas privadas ou telefónicas”? Não percebo o que significa "estar consciente" de conversas privadas. Poder-se-ia dizer que o PM estava nervoso ao formar esta frase incompreensível; e se estava...gostaríamos de saber porquê.
    Olha, em Portugal há tanta coisa que está mal que nem sei por onde começar. Mas incomoda-me o facto de haver tanta investigação ligada a ministros mas muito poucas apreensões.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hey, darling!
      Se calhar durante as conversas públicas e/ou frente-a-frente não necessita de consciência; ou se calhar é uma técnica de retórica para desviar as atenções; qui ça?
      Apreensões? Não me faça rolar no chão de tanto riso. Primeiro os processos demoram uma eternidade, depois prescrevem e por fim com um enorme despudor tudo volta ao normal.
      Obrigada pelo teu comentário.
      Bjcas

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço