Maxiavelli: Mulheres dos Políticos & Venda da Alma...

Women by Jenö Barcsay

Algumas mulheres estão dispostas a fazer o que for para chegar ao Topo; nem que para isso tenham de abdicar  da sua humanidade, dignidade e integridade.

A Eva Braun, uma boa cristã, apaixonou-se por um fascista que massacrou milhões de seres humanos em campos da morte e, fez experiências com milhares de outros (e.g. procriação entre mulheres e cães). Diz-se que ela não sabia o que se estava a passar durante toda a Segunda Guerra Mundial, ao mesmo tempo que era uma peça vital no círculo íntimo do seu amado – por isso, como poderia não saber? Ela sabia e bem; contudo foi-lhe conveniente fingir não estar ao corrente para não ter que confrontar o Monstro dentro de si.

A Lucía de Pinochet, uma boa centrista radical, foi casada com um general fascista que raptou oponentes políticos, que os torturou e assassinou da maneira mais vil possível (e.g. um dos métodos de tortura era introduzir ratos na vagina das mulheres). Como é que esta mulher dormia à noite sabendo que mulheres, como ela própria, estavam a ser vítimas do sadismo do seu marido? Como é que ela tinha espírito para viajar e fazer compras desenfreadamente enquanto mulheres, homens e crianças estavam a ser abusados pelas forças de segurança do cônjuge? Só posso partir do princípio que Lucía de Pinochet era, ela própria, uma sádica.

Asma al-Assad, uma boa moça Sunni, é casada com um déspota que neste momento massacra os seus irmãos Sunni, numa tentativa vã de se agarrar ao poder. Asma passou a imagem de uma mulher extremamente humanitária e moderna, criada no Ocidente e com imenso estilo (estilo esse que captou a atenção da revista Vogue). Mas depois mostrou-nos uma faceta digna de análise: enquanto o seu marido mata indiscriminadamente, a Primeira Dama da Síria decidiu afastar-se da realidade e passar os seus dias a fazer compras online (de jóias e sapatos) com certeza para acalmar os seus nervos ocidentalizados. No meio disso tudo, o seu marido diz-lhe que expresse, em público, o seu apoio incondicional a ele e, Asma (quem sabe, em nome do luxo e da posição) obedece-lhe.

Ann Romney, uma boa cristã, é casada com um homem-de-negócios-bem-sucedido-que virou-político. Ela é uma mulher talentosa: é dona-de-casa (mãe de cinco filhos) e uma mulher de negócios (que possui companhias em offshore que geram milhões de dólares/ano – é só para ver que um curso de Francês não é impedimento quando se possui o espírito empresarial). O seu marido, o candidato às presidenciais dos EUA Mitt Romney, numa amostra daquilo que será a sua Política Externa, sugeriu que os Palestinianos têm uma cultura inferior, razão pela qual são economicamente subdesenvolvidos – Saeb Erekat acusou-o de ser racista e afirmou que apesar dos conflitos, e disputas entre si, ele jamais ouviu os Israelitas dizerem tal coisa. (N.B: ele tem razão. Os Israelitas [não os Judeus Americanos radicais] jamais diriam tal coisa, porque sabem que partilham muitos traços culturais, do Médio Oriente, com os seus vizinhos; mas acima de tudo sabem que o desenvolvimento económico é fruto de boas políticas económicas – i.e. política e não cultura).
E o que é que Ann Romney fez? Tal como as mulheres dos fascistas, ela – com o seu silêncio – concordou com o seu marido e, sancionou o seu racismo. Uma mulher Americana do século XXI viu o seu cônjuge a fazer um comentário racista e, não fez o seu melhor para levá-lo a pedir desculpa a um Povo com quem ele terá que trabalhar pela paz, se fôr eleito.

Quanto é que algumas mulheres estarão dispostas a pagar para chegar ao Topo? Tudo o que, nelas, há de bom e humano.

Comentários

  1. Mulheres como estas envergonham-nos a todas. Espero que o Romney perca!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Anónima :D!

      Compreendo o que quer dizer. LOL fará campanha contra ele?

      Obrigada pelo seu comentário :D.

      Um abraço

      Eliminar
  2. Mas bah, Max, espero que Romney perca, não por isso, mas por entender que Obama merece um novo mandato.
    Lembrei da frase: "Por trás de um grande homem sempre há uma grande mulher" e pensei; será que as mulheres por trás dos despotas ou dos racistas, necessáriamente acompanha-lhes as convicções? Afinal os opostos se atraem, mas os casamentos são frutos das afinidades.
    Abração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Diler :D!

      Estou de acordo que o Presidente Obama mereça mais um mandato (aí é que veremos o que ele vale).

      Podem até não acompanhar os maridos nas convicções, mas coloca-se na mesma a questão ética: podes ver outros seres serem maltratados (sob que forma fôr) por alguém próximo e não fazeres coisa alguma? O que é que isso diz de ti, o que estás a ensinar aos teus filhos, qual o impacto da tua falta de ética e responsabilidade na sociedade futura?
      Este é que é o problema.

      É, os casamentos são fruto das afinidades; por isso, se casas com um monstro, monstro és.

      Diler, obrigada por este comentário maravilhoso :D.

      Um abração

      Eliminar
  3. Max, minha amiga, desculpe pela ausência...
    Estou de volta e com a corda toda, tem algumas postagens nova no blog.
    Creio que em relação ao poder, ao topo e a tudo que envolve esse status, homens e mulheres acabam por perder a razão e o bom senso, mas com algumas mulheres a situação é mais evidente, pois realmente acabam perdendo o que possuem de melhor e de mais humano, a sensibilidade. Mas no caso de personagens da história mundial envolvidas com dinheiro, política e fama, não costumo julga-las por suas escolhas sem antes analisar suas vidas e principalmente o contexto histórico e social em que cresceram e viveram.
    Add vc no facebook ok?
    (Tati R. Pancev)
    Beijo e até breve....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Angel, olá :D!

      Não tens de pedir desculpa: a tua presença é apreciada de qualquer maneira e em qualquer altura.
      Passarei pelo teu blog :D.

      "Creio que em relação ao poder, ao topo e a tudo que envolve esse status, homens e mulheres acabam por perder a razão e o bom senso, mas com algumas mulheres a situação é mais evidente, pois realmente acabam perdendo o que possuem de melhor e de mais humano, a sensibilidade."

      Pois.

      "Mas no caso de personagens da história mundial envolvidas com dinheiro, política e fama, não costumo julga-las por suas escolhas sem antes analisar suas vidas e principalmente o contexto histórico e social em que cresceram e viveram."

      E que análise farias então da Sra Romney e da Asma al-Assad?

      Obrigada. Também te adicionei :D.

      Angel, muito obrigada pelo teu comentário :D.

      Beijoss

      Eliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço