Análise: A Catástrofe

Os Fanáticos do Tanger de Delacroix

No passado dia 15 de Maio de 2011, os Palestinianos encenaram uma peça muito bem ensaiada: para celebrar aquilo que consideram ser o "Yawm al-nakbah" (Dia da Catástrofe), decidiram invadir Israel, numa acção concertada, para provar que estão unidos, prontos para invadir e reclamar o Estado de Israel a seu bel-prazer.

O Hamas e a Fatah assinaram, recentemente, um acordo reconciliatório com vista a obter, por parte da ONU em Setembro de 2011, o reconhecimento da independência do estado da Palestina; e, evitar conflitos como os que ocorrem presentemente na Síria, Iémen e Bahrain (por exemplo). Funcionará?
Os Palestinianos deveriam protestar contra a Fatah e o Hamas por não terem servido o povo, senão a si mesmos; por não terem sido capazes de parar com a violência e reconhecer o Estado Judaico de Israel; por não serem capazes de garantir que as fronteiras de Gaza sejam seguras o suficiente para que o bloqueio termine e finalmente se proceda ao desenvolvimento do Estado Palestiniano. Os Palestinianos deveriam protestar contra o seu governo corrupto e exigir escolas, hospitais, liberdade de expressão, lutar pelos direitos das mulheres e pelo banimento da teocracia e do autoritarismo.
Os Palestinianos deveriam virar-se para si mesmos e pensar naquilo que precisam. Deveriam expulsar as vozes daqueles que fingem ser seus irmãos mas que só se revelam ser o primo invejoso: usam e abusam da sua situação para os seus próprios propósitos políticos.

Sou totalmente a favor do estabelecimento do Estado Palestiniano; contudo pergunto-me que tipo de nação será: um país que em vez de se desenvolver e de se posicionar nos mercados financeiros e tecnológicos; em lugar de desenvolver os sectores da agricultura e até do turismo (com todo aquele mar, em Gaza, poderiam fazer maravilhas)...o que faz? Desperdiça tempo e dinheiro a concentrar-se em Israel e em violência - esta estratégia é obsoleta e não os leva a lado algum. Também me questiono acerca do Hino Palestiniano.

Adoro Hinos. O Hino Português canta os seus feitos do passado e encoraja os feitos futuros; o Hino Italiano recorda aos Italianos que unidos são mais fortes; o Hino Israelita canta o profundo amor e empenho a Sião e a Jerusalém; o Hino Britânico pede a Deus que guarde a Rainha/Rei para que possa orientar e proteger o seu Povo dos truques vis dos inimigos; e o Hino Americano é uma verdadeira ode à democracia e ao patriotismo.
Não obstante, o Hino Palestiniano não evoca a força do seu povo, não o encoraja a crescer nem a desenvolver-se, não clama pela democracia nem pela protecção Divina nem pela Paz...não, o Hino Nacional Palestiniano invoca vingança, violência, armas, sangue, dôr e destruição.
O hino de qualquer país reflecte o seu espírito...

O meu país, o meu país,
O meu país, a minha terra, terra dos meus antepassados
Revolucionários, revolucionários
Revolucionários, o meu povo, povo da perpetuidade


Com a minha determinação, com fogo e o vulcão da minha vingança
Com a ânsia no meu sangue pela minha terra e a minha casa
Escalei montanhas e travei guerras
Conquistei o impossível e atravessei fronteiras


Com o empenho dos ventos e o fogo das armas
E a determinação da minha nação, na terra da luta
Palestina é a minha casa, Palestina é o meu fogo,
Palestina é a minha vingança e a terra da resistência. 


Pelo juramento sob a sombra da bandeira
Pela minha terra e nação, e o fogo da dôr
Viverei com oum revolucionário, permanecerei um revolucionário,
Acabarei os meus dias como um revolucionário - até que o meu país retorne


Revolucionário

...E se este é o espírito da Palestina, então realmente é o Al-Nakbah e que Deus nos proteja a todos.

Comentários

  1. E que ELE nos proteja mesmo e...SEMPRE! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
  2. Oi Chica :D!

    Amén!

    Obrigada pelo teu comentário, querida :D!

    Beijos

    ResponderEliminar
  3. (será que haverá retorno sob essa égide, da vingança? Max, querida Max, desculpe-me pela ausência, ando tão sem vontade de nada... Mas vim deixar um beijo, desejo de você sempre feliz e agradecer-te pela sempre, sempre querida presença no Canto!)

    ResponderEliminar
  4. Oi CB :D!

    "será que haverá retorno sob essa égide, da vingança?"

    Boa pergunta. Só te posso dizer que a vingança nunca traz nada de bom...

    "Max, querida Max, desculpe-me pela ausência, ando tão sem vontade de nada... Mas vim deixar um beijo, desejo de você sempre feliz e agradecer-te pela sempre, sempre querida presença no Canto!"

    Estás-me a preocupar, miúda! Mas não tens de te desculpar...
    Obrigada, minha linda; muito obrigada!

    Beijooos e cuida-te

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço