Europa Minorias e Imigração


A França decidiu expulsar centenas de Ciganos do seu território.
Os políticos Europeus condenam esta decisão, alegando que a Europa havia jurado nunca mais perseguir minorias outra vez. Subtilmente, comparam esta situação  à perseguição aos Judeus. Será que a comparação é razoável? Vejamos... 
O povo Cigano, em questão, não tem instrução (para dizer a verdade, esta etnia – de um modo geral – insiste em não enviar a sua progénie para a escola); vive em França de modo ilegal (a lei Francesa requer que cidadãos estrangeiros da UE tenham uma autorização de permanência quando se fica no país por mais de 3 meses), o que signifca que quando trabalham não pagam impostos e não contribuem para a segurança social; infelizmente são famosos por não respeitarem a lei (aqui está um ponto no qual esta comunidade precisa de trabalhar se se quer integrar na sociedade) e muitas vezes vivem de subsídios (o que mais uma vez se traduz no não pagamento de impostos e o esbanjamento dos recursos nacionais). Solução Francesa: enviá-los de volta aos seus países de origem com €300 no bolso. 
Os Judeus eram cidadãos Europeus extremamente instruídos, produtivos e abastados; que respeitavam a lei (ou seja, respeitavam as autoridades, pagavam impostos e segurança social, e quando imigravam faziam-no de forma legal). O seu poder monetário e conhecimento eram objecto de inveja. Solução Europeia: não enviá-los para a sua terra (Palestina) mas “simplesmente” gaseá-los. 
Por isso digam-me...será a comparação razoável? Não; para dizer a verdade, até é muito pobre (intelectualmente falando).

A media, como sempre (no seu frenesim manipulador), parece ter ignorado o facto de que a França procurou combater uma onda crescente de crimes cometidos pelo grupo étnico em questão; contudo tem de ser dito que a França, muitas vezes, ao apresentar soluções para este tipo de problema pode abrir perigosos precendentes. Medidas periclitantes, que raiam à xenofobia, podem ser o reflexo de medo e ausência de uma boa política de imigração. 

Ser membro da UE não deveria conceder o direito, a países como a Roménia e a Bulgária (por exemplo), a despejar os seus indesejados cidadãos nos quintais de outros países-membro da UE e, depois ter toda a gente a gritar “PERSEGUIÇÃO!”
Ser membro da UE acarreta a responsabilidade de ensinar os seus cidadãos o que significa pertencer à comunidade Europeia: ser capaz de circular livre e legalmente (i.e. registar-se, trabalhar, pagar impostos e segurança social e, o mais importante, respeitar as leis do país anfitrião). 
Se um indivíduo, ou grupo de indivíduos, insiste em permanecer ilegal então as nações deveriam ter o direito de reverter a situação (sob pena dos recursos da pátria serem consumidos). 

Os políticos Europeus são hipócritas: perguntem-lhes acerca da sua reacção quando Negros Africanos e Brazileiros “invadem” a Europa...sim, rapidamente gritam “Mandem-nos de volta!”...se os Ciganos fossem um pouco mais escurinhos nenhum comissário Europeu viria para a televisão chorar “Mas gostaria  que ficasse claro de que a minha paciência se esgota: basta!” 

Imagem: Bandeira da União Europeia (tirada do Google Images).

Comentários

  1. Mas bah, guria.
    Vejo grandes diferenças entre os dois casos; por princípio os judeus foram perseguidos por uma questão política, já no caso dos ciganos trata-se de questão econômica...o entanto há uma similaridade sim: O ranso racial.
    Para nós, brasileiros, essa é uma questão de difícel entendimento, já que vivemos no maior caldeirão etnico que o mundo já produziu e com grandes diferenças econômicas em nossa população. Desta forma mesmo sem total harmonia, temos alto grau de tolerência o que nos permite uma convivência pacífica.
    Ou quase...
    Parabéns pela escolha da pauta, mais uma vez polêmica e importante.
    Abração.

    ResponderEliminar
  2. Temas polêmicos mas pertinentes.

    Abraçamigo.

    ResponderEliminar
  3. Oi Diler :D!

    "Vejo grandes diferenças entre os dois casos; por princípio os judeus foram perseguidos por uma questão política, já no caso dos ciganos trata-se de questão econômica...o entanto há uma similaridade sim: O ranso racial."

    Os Judeus foram perseguidos não só por razões políticas como também por razões económicas (i.e. poder económico). O caso dos Ciganos pode parecer económico, mas também é por motivos socio-políticos.
    Convém ao mundo perpetuar a imagem de que a França seja racista, ou xenófoba, quando essa imagem não representa a total verdade (eu vivi lá, e posso dizer que Portugal é mais racista que a França).

    "Para nós, brasileiros, essa é uma questão de difícel entendimento, já que vivemos no maior caldeirão etnico que o mundo já produziu e com grandes diferenças econômicas em nossa população. Desta forma mesmo sem total harmonia, temos alto grau de tolerência o que nos permite uma convivência pacífica. Ou quase..."

    lol o "quase" já diz muito, meu amigo. E olha, a imagem que o exterior tem do Brasil não é dessa convivência pacífica e tolerância toda, não...agora pensemos a quem possa interessar que o Brasil tenha uma imagem adversa à qual descreves (o mesmo se passa com a França e tantos outros países, deixando de fora [ou debaixo do radar] os países que realmente praticam racismo e perseguições étnicas).

    "Parabéns pela escolha da pauta, mais uma vez polêmica e importante."

    Obrigada; e obrigada pelo comentário maravilhos :D!

    Abração

    ResponderEliminar
  4. Oi Eurico :D!

    Obrigada pelo comentário.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Max, o tema é delicadíssimo, e eu de cá vejo que existem mais semelhanças que o contrário. Salvo engano, a etnia gitana, é tão européia quantos os países-membros da UE, refiro-me ao espaço geográfico, todavia do ponto de vista cultural, é como se os ciganos fossem ET´s, nenhum europeu se reconhece cigano, falam deles como os outros, os diferentes, os que não trabalham e ainda pesa sobre eles a apropriação indébita do alheio, a situação não é fácil.
    Mas um tema delicado e polemico que tu nos trazes, tomara que o bom senso vença.

    Um beijão, querida e ótimo final de semana!

    ResponderEliminar
  6. Max, os ciganos são perseguidos em qualquer lugar que vão e eles parecem não se importar. Aqui no Brasil são mendigos e colocam suas crianças em paradas de sinal de trânsito como pedintes. Desde criança não tenho boa relação com eles, apesar de que a minha melhor festa de "Ano Novo" foi em uma tenda cigana com muita música, dança e pessoas com alegria genuína - completamente por acaso. Mas fui raptada logo com 3 anos de idade por uma tribo cigana e levada para longe de minha família. Ciganos se tornaram pavor em minha cidade por conta desta história e eu passei a infância com medo de novamente ser afastada da minha família. Sei que eles se concentram mais na Europa e que é um problema que merece atenção. Não adianta rejeitar, o problema aí está e expulsar é o mesmo que colocar a sujeira debaixo do tapete.

    Infelizmente, os ciganos ainda não produziram um Martin Luther King, Jr., para mobilizar a cultura e exigir direitos iguais - e muitos especialistas acham que provavelmente nunca terão, porque eles não se interessam por política. É uma questão difícil, cheia de ambigüidade moral e se as cabeças "pensantes" da UE não acham solução, como fazer?

    Bom fim de semana! Beijus,

    ResponderEliminar
  7. Oi CB :D!

    Tens razão quando dizes que a etnia Cigana é tão europeia quanto as outras (membros da UE); contudo a França tem leis próprias (mesmo para cidadãos dos países-membro) e quando estas não são respeitadas um país tem de poder agir. Os Ciganos Franceses (cidadãos nacionais) vivem muito bem em França e são bem sucedidos.

    A imigração ilegal é um tema delicado, mas tem de ser abordado e resolvido...

    Obrigada pelo super comentário, linda :D!

    Beijos

    ResponderEliminar
  8. Oi Luma :D!

    Que horror: a tua experiência foi traumática! Mas ainda bem que tudo se resolveu, não é?

    Quanto aos Ciganos: como disse no texto, eles têm de se modificar afim de se integrarem na sociedade (todos os povos se modificaram afim de melhor conviverem e os Ciganos não são excepção).

    "É uma questão difícil, cheia de ambigüidade moral e se as cabeças "pensantes" da UE não acham solução, como fazer?"

    Boa pergunta!

    Luma, muito obrigada pelo teu comentário maravilhoso, e por teres partilhado a tua experiência connosco :D.

    Beijos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço