Missiva a Eros


Caro Eros,

Espero que esta missiva te encontre de boa saúde e em excelente forma.
Hoje fui a Atenas (o dia estava lindo, a cidade mais adorável que nunca) e os meus ouvidos foram severamente atacados por fofocas horrorosas e tramas hediondas. Juro-te, a refeição divina que aconchegava o meu estômago quase que foi regurgitada.

O propósito desta carta é avisar-te. Não, não te assustes, porque apesar do assunto ser sério, não inspira grandes preocupações (para te dizer a verdade, eu, pessoalmente, achei toda a coisa extremamente ridícula), não obstante, fica avisado:
Há gente que deseja cortar os laços que profundamente te unem a Psiquê (como se isso fosse possível: o que Deus une, nenhum homem separa). Eles ignoram o facto de vocês os dois já estarem casados, e por isso tentam jogar com a tua vida sentimental como se fosses uma bola, um pino, um cão ou mesmo o escravo deles.
Pelo que ouvi (e por favor, não me peças para divulgar a fonte desta informação ultra secreta), eles têm-te em alta conta (para eles és uma preciosidade; e por isso mesmo já alinharam um grupo de virgens para que possas seleccionar a que mais te agradar [mas de homem para homem, eu pergunto: quem é que raio quer uma virgem?]), é a Psiquê a quem eles não vêem com bons olhos: a sua ancestralidade não lhes é apelativa e, a sua beleza só te poderá levar ao abismo (ela é diabo, dizem eles: a sua arte no amor distrair-te-á; a sua feitiçaria desviar-te-á do caminho dos deuses; o seu sangue gerará ninhadas escurinhas...e “Deus nos livre disso!” [são as palavras deles, meu amigo, certamente não as minhas]; a sua psique é uma ameaça aos seus planos [idiotas!]; a sua feminilidade escravizará os seus filhos e a sua maneira de ser inspirará as suas filhas a tornarem-se meretrizes).

Pelos deuses, meu amigo, precaução é o que te peço. Não permitas que a raiva turve a razão: não saias às ruas a matar os teus inimigos – lembra-te das tuas Divinas asas.
Tu és Eros: mostra-lhes que não és o cão deles, nem seu escravo, nem sequer o seu lacaio...não és uma mosca que se sinta atraída por bosta; tu és a mais fina abelha que se atrai pela mais luxuosa e suculenta das flores: a Psiquê (por isso voa para ela).

Eros, meu amigo, acaba de vez com estas fofocas tristes e estas tramas hilariantes: certamente sabes o que há a fazer.
Deixo-te com amizade no coração. A próxima missiva que recebas minha, relatar-te-á como consegui fisgar uma moça exótica (foi uma aventura e tanto: houve negociações – foi tão refrescante!).

Verdadeiramente teu amigo,
Caos

Imagem: Amor Omnia Vincit de Caravaggio

Comentários

  1. Que beleza de carta, li-te e fiquei a recordar da emoção que senti, quando no Louvre, pela primeira vez, detive-me demoradamente diante da escultura tão perfeita de Eros despertando Psiquê com um beijo de amor!!

    Um beijo grande, Max!!

    ResponderEliminar
  2. Oi CB :D!

    Ainda bem que gostaste, querida!

    Ah, essa escultura é linda, não é? Evoca amor por todos os ângulos :D!

    Obrigada pelo comentário, minha linda!

    Beijoss

    ResponderEliminar
  3. Mas bah, guria.
    Pobre Psiquê, não chegava o ódio de Afrodite, ainda teve que contar com a "amizade" de Caos! rsrs
    Parabéns pelo texto!

    ResponderEliminar
  4. Oi Diler :D!

    LOL LOL LOL é verdade, devemos mesmo desconfiar da "amizade" do Caos lol...

    Obrigada, meu amigo :D!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Max,

    Que texto fantástico!

    Uma carta inteligente, boa de se ler, e claro com uma pitada de pimenta, que eu adoro, que é característica dos teus textos.

    Parabéns e beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Max, Eros está na minha lista negra. Ele já aprontou muito comigo.

    Quanto ao Caos, ele é o meu companheiro. Gente boa!

    ResponderEliminar
  7. Adoro mitologia, principalmente greco-romana!

    Sobre os personagens da carta, são muito famosos e compõem um triangulo forte.

    Segundo alguns mitos da criação do mundo, Eros não é filho de Afrodito, mas sim do Caos inicial. Eros nasceu da escuridão caótica, espalhando amor e vida, criando o mundo como conhecemos.

    Quanto à Psiquê, será que os homens que reclamam dela, na verdade reclamam de Eros (o amor) ser tão intimo de algo racional? (Psiquê = mente humana)

    Até a próxima, abraços e tchau!

    ResponderEliminar
  8. Oi Dri :D!

    Obrigada, minha linda!! Fico feliz por teres gostado (mesmo da pimenta lol ;)...)!

    Beijinhoss

    ResponderEliminar
  9. Oi Cidão!!! :D

    LOL LOL Eros está na tua lista negra? Vais dar uns tiros nas asas dele? lol...

    Aha, com que então o Caos é teu amigo! Eu sabia que ele me fazia lembrar alguém ;)...lol...

    Obrigada pelo comentário Cidão; amei (e ri imenso) :D!

    Beijoss

    ResponderEliminar
  10. Oi Zahta :D!

    "Adoro mitologia, principalmente greco-romana!"

    É linda, não é?

    "Segundo alguns mitos da criação do mundo, Eros não é filho de Afrodito, mas sim do Caos inicial. Eros nasceu da escuridão caótica, espalhando amor e vida, criando o mundo como conhecemos."

    Ah sim? Isso mudaria toda a trama da carta...já pensaste?

    "Quanto à Psiquê, será que os homens que reclamam dela, na verdade reclamam de Eros (o amor) ser tão intimo de algo racional? (Psiquê = mente humana)"

    Aaah, boa pergunta...sim, senhor...o menino sabe das coisas. É capaz de ser isso mesmo...quem sabe ;)?

    Zahta, adorei este teu super comentário: obrigada :D!

    Um abraço

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço