Há Mulheres que me matam...



...Sim, elas matam-me cada vez que negam as consequências das suas próprias escolhas, e depois descontam nas suas cara-metades.

Há mulheres que casam com homens cujos empregos são críticos. Ela sabem, desde o princípio, que os seus homens têm estes empregos e, no entanto, acabam por arruinar o relacionamento.
Vejamos, rapidamente, alguns exemplos:

Situação A
Uma mulher namora com um médico (e todos nós sabemos o quão exigente é esta bela profissão). Ela casa com ele, têm filhos e ela decide ficar em casa para tomar conta dos miúdos. Ele passa imenso tempo no hospital (o que é natural) e quando vem para casa, após 30 horas de trabalho, ainda tem de ouvir a mulher a queixar-se de como ele nunca está em casa e de quanto os míudos sentem a sua falta.
Dá licença? Minha cara, tu sabias ele era médico quando casaste com ele, do que estavas à espera?
No que toca às crianças, pára de transferir a tua frustração para elas e sê uma mãe de verdade (i.e. mãe e pai numa pessoa só).

Situação B
Uma mulher namora com um soldado (e sabemos bem o que significa ser um soldado). Só que ele não é um simples soldado, e ele explica-lho (se bem que não oferece muitos detalhes – por razões óbvias). Ela casa com ele e mantém o seu emprego. Ele passa longos períodos de tempo em missões, e quando ele retorna a casa, a mulher dele queixa-se do quão sozinha se sente e de como ele nunca está por perto quando ela chega a casa do trabalho (não tendo, logo, com quem partilhar o seu dia) e quer o divórcio...
Dá licença? Caríssima, ser a mulher de um soldado não é fácil, certo; mas epá, por que é que não convives com as outras esposas da base? Sabias como as coisas seriam...porque casaste com o homem?

Situação C
Uma mulher casa com um agente secreto. Quando namoravam, foi-lhe explicado que ele trabalhava para o governo e que ele não poderia partilhar com ela exactamente o que fazia: ela aceitou-o. No princípio, tudo era um mar de rosas; mas depois ela começou a ficar cansada de não saber exactamente o que ele fazia – uma vez até disse “Se calhar até matas pessoas, não sei; como posso saber?”...que tonteria!
Este tipo de mulher quer fazer com o homem escolha entre ela e o seu emprego – erro crasso!
Menina, sabias no que estava envolvido; sabias que não podia falar do assunto...então porquê a escandaleira? Tens assim tanta necessidade de ser o centro do universo?

Os exemplos são infinitos: mulheres que casam com bombeiros; mulheres que casam com polícias; mulheres que casam com seguranças; mulheres que casam com enfermeiros etc...

A questão é: se uma dama escolhe, em plena consciência, embarcar num relacionamento com todas as suas complexidades; então ela é totalmente responsável pelas suas escolhas (mais as consequências destas), e por isso, perante o descontentamento, não tem o direito de culpar o seu homem nem ninguém.
Sê uma Mulher, com M maiúsculo, e deita-te na cama que tu mesma fizeste!

Imagem: Retrato de Giovanni Arnolfini e esposa de Jan Van Eyck

Comentários

  1. Ótimo post! Bem humorado e incisivo! Uma esposa não pode querer simplesmente mudar a vidade de seu marido após o casamento, assim como o marido também não pode querer mudar a vida da esposa.

    Quando ambos se casam, é por que conhecem a pessoa e querem ficar com ela por isso. A mulher d soldado casaria com ele se ele fosse uma pessoa diferente?

    Abraços e até a próxima!

    ResponderEliminar
  2. Mas bah, guria,
    Casamento não é fácil, com marido de qualquer profissão, quanto mais essas que envolvem platões, viagens contantes, atos secretos, etc...
    Parabéns pelo texto, como sempre, provocante.

    ResponderEliminar
  3. Oi Zahta :D!

    "Ótimo post! Bem humorado e incisivo! Uma esposa não pode querer simplesmente mudar a vidade de seu marido após o casamento, assim como o marido também não pode querer mudar a vida da esposa."

    Obrigada :D! Concordo plenamente.

    "Quando ambos se casam, é por que conhecem a pessoa e querem ficar com ela por isso. A mulher d soldado casaria com ele se ele fosse uma pessoa diferente?"

    Boa pergunta, Zahta!! Boa pergunta mesmo!!

    Zahta, muito obrigada pelo super comentário: adorei :D!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Oi Diler :D!

    Mas bah, guria, Casamento não é fácil, com marido de qualquer profissão, quanto mais essas que envolvem platões, viagens contantes, atos secretos, etc..."

    Com toda a certeza!

    "Parabéns pelo texto, como sempre, provocante."

    Obrigada, meu amigo :D!

    Amei o comentário, obrigada!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Concordo com vc...tem doida pra tudo....gostei foi das hipteses...hehehe


    te convida amiga...

    Para o MOB2010 que acontecera dia 19/12 sabado em todos os blogs, entre no Entrando Numa Fria e saiba mais, conto com vc,,,a postagem pode ser de um dia só é para vermos as opinioes para 2010 de cada um assim muitos leitores terem ideia do que queremos e aplicar em mudanças, Mais detalhes por la...

    bjos

    ResponderEliminar
  6. Oi Philip :D!

    lol ainda bem que gostaste!

    Quanto ao MOB2010: estamos aí!!

    Obrigada pela visita, querido :D!

    Beijos

    ResponderEliminar
  7. O período que antecede o casamento, é justo para sabermos se há chances de compatibilidade, mesmo assim erramos! Alguns homens e mulheres tendem a suavizar detalhes grotescos das profissões, justo para não espantar os nubentes. Assim, vendem um produto e após o casamento, invariavelmente, temos a ligeira sensação que o produto foi entregue errado. Lógico, que essa sensação também pode demorar um pouquinho mais para se apresentar, 3, 5, 7 ... e lá se vão anos de relacionamento intempestivo e de cobranças.

    Não gostaria de ser casada com um policial, somente pelo risco de vida. Talvez não tivesse filhos, até! O mesmo agiria com um agente do governo.

    Talvez o que pese nestas relações onde a distância física impera, seja a falta de amor próprio ou de confiança na pessoa amada. É ótimo ter um namorido - O dia a dia não é fácil.

    Beijus,

    ResponderEliminar
  8. Está td bem, dentro possível, graças a Deus.

    Abraço fra/terno

    ResponderEliminar
  9. Isso é uma coisa que odeio numa mulher, essa dependência escrota!

    Max, ter adoro porque escreve sem ter medo algum!

    ResponderEliminar
  10. Oi Max

    Gostei da mulher com "M" maiúsculo, é exatamente isso, foi ensinado a mulher que ela é mais frágil, fraca, uma verdadeira lavagem cerebral!
    Na verdade o homem precisa muito mais da mulher do que o contrário, a mulher tem total condições de se organizar, mas o que falta é confiança.
    Da para ser forte e corajosa sem deixar de ser amorosa, meiga.

    Ter sentimentos e não ser exageradamente sentimental a ponto de não conseguir dar um passo.

    A família é algo muito importante, é a base da sociedade, se a mulher se propõe a casar com uma pessoa que tem um emprego desses tem que assumir, tem que existir amor verdadeiro.

    Ótimo post, Max.


    beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Ah sim, não posso deixar de comentar, amei a escolha da pintura(Retrato de Giovanni Arnolfini e sua esposa de Johannes Van Eyck)
    Essa pintura é super interessante pela quantidade de símbolos que apresenta, outro dia mesmo eu estava lendo sobre ela, realmente muito legal.

    bjs

    ResponderEliminar
  12. Querida, se meu marido nao segurasse o tranco, teriamos nos separado, em 2009...
    kkk
    Viajei 12 vezes.m Passei 3 meses, ao todo, fora de casa. E el nem ousou me pergutnar se encontrei outro.
    Aliás, se ele tivesse perguntado, teria dado uam bela risada...Semana passada, cheguei de uam viagem de 30 dias. E decidi nao viajar, tanto.Mas, eis que um clietne me contratou apra fotografo, em Paris, por 3 noites..a coemcar por 30 de dezembro...
    fazer o quê?bjs e dioas felzies

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço