A cabeça do Racismo numa Bandeja



Eu tentei...eu bem tentei entrar na cabeça de um racista (para poder compreendê-la) mas não consegui: foi-me impossível ceder à ignorância.

Cada vez que oiço, ou, assisto a comentários e actos racistas, o meu coração entristece-se e, o meu intelecto repudia-los.

Portugal é um país que se orgulha da sua diversidade cultural e dos seus mulatos. Depois das eleições do EUA em 2008, as pessoas que participavam nos forums televisivos diziam que nós eramos o país dos “Barack Obamas” (devo discordar por completo, pois apesar de termos imensos mulatos aqui, de um modo geral, não se pode de maneira nenhuma compará-los ao Presidente Obama – infelizmente).

O racismo habita em Portugal.
Não é óbvio, não é espalhafatoso; é silencioso como o Anjo da Morte.
Tudo começa na escola: os professores referem-se às minorias como “vocês” (as crianças Judias estão excluídas, uma vez que, em Portugal, mantém a sua etnia em segredo); chumbam as minorias que vivam em bairros empobrecidos, com a pobre desculpa “Que hipótese têm eles? Mais vale tirar-lhes as ilusões agora!”. Estes professores provam vezes sem conta ser exactamente aquilo que são – um bando de falhados ignorantes que contribuem para a regressão económica da nossa nação.
Depois continua nas universidades: os professores do “ensino superior” tratam as minorias como “vocês aí” e vão ainda mais longe – confundem o aluno negro A com o aluno negro B e, quando corrigidos, os sub-humanos académicos gritam que não têm a obrigação de os distinguir visto serem todos iguais, têm todos a mesma cara...I rest my case.

Poderia continuar a providenciar exemplos, mas o que partilhei já oferece uma bela ideia do quão podres estão os alicerces deste país.
Sim, agora dançamos todos Kizomba; sim, os artistas Portugueses mais conhecidos (a nível internacional) provêm das minorias (ex: Mariza e Buraka Som Sistema); sim, a nação come Muamba (um prato Angolano) e Cachupa (um prato Cabo Verdiano); sim, a juventude Portuguesa faz uso de interjeições Africanas; sim, os Portugueses casam com Europeus do Leste; sim, os ritmos e cozinha Brasileiros são bastante apreciados; sim, sim, sim...mas não, não, não.
Se um dos alicerces de qualquer economia (Educação) sugere que o racismo (logo, a humilhação de um ser humano baseada na sua etnia) é aceitável; e faz uma lavagem-cerebral aos miúdos levando-os a pensar que são nada, que não têm a menor chance, que a instrução académica não é coisa para eles e, que o único caminho é a delinquência...então este país merece ser o alvo de chacota da Europa.

Tenho uma amiga Portuguesa que estava encantada por um Judeu. Encorajei-a a ter um relacionamento com o jovem, porque me pareceu um ser humano fantástico. Passado um minuto, ela decidiu chocar-me ao dizer que apesar dos seus sentimentos jamais poderia apresentar um Judeu à sua família, ao seu pai...Deus a livrasse. Vomitei, claro...em estado de choque perguntei-me quem seria aquele sub-humano diante de mim que tinha a lata de se apelidar de minha amiga...obviamente, vi-me forçada a pô-la no seu lugar.

Sou multi-racial; a minha pele é mais clara que a de muito caucasiano; fui vítima de racismo somente uma vez em toda a minha vida (tinha 7 anos e, uma miudinha branca de pele escura [no externato/escola privada] chamou-me de “preta” – eu nem sequer sabia o que aquilo queria dizer, pois os meus pais nunca diziam tais palavras em relação a pessoas, mas deu para sentir o ódio na diarreia-mental da mocinha [claro, a minha mãe fez com que ela fosse expulsa da escola]) mas a partir daí jurei que iria defender os indefesos...e por isso:

Eu quero a cabeça do racismo numa Bandeja de Platina!


Imagem: Salome e a cabeça do Baptista de Onorio Marinari

Comentários

  1. Mas bah, Max.
    Você tem toda a razão o racismo é filho da ignorância!
    Sempre que topo com este tema lembro um velho historinha: "Na primeira vez que um negro viu um branco, achou que era um fantasma e na primeira vez que um branco viu um negro, achou que era um macaco...Os negros logo perceberam tratar-se de um humano de outra cor, já muitos brancos, ignorantes, até hoje não conseguem compreender a realidade!
    Mas uma vez, parabéns pelo texto, pela polêmica e pela inquietação que nos causa; seu blog é ótimo.

    ResponderEliminar
  2. O racismo é a coisa mais insidiosa e pérfida. sou Salomé com vc e quero a cabeça deles. ..sim "deles" numa bandeja. Não é vingança, nem nada. Mas, Max , o diferente é discriminado em qqer lugar. Sou loira, olhos azuis, italiana,. Moro na Bahia e venho de uma família baiana por parte de mãe. Pois! Por ser filha de um romano , italiano, que só falava italiano...sempre fui discriminada por ser diferente. Aqui me chamam de 'galega dos olhos azuis". E me olham n=muito feio nas ruas pelos negros que reclamam de racismo!!!
    Então, assim como vc, quero a cabeça "deles" numa salva de prata!
    Me fiz entender? Hein, Max? Racismo tem mão dupla

    ResponderEliminar
  3. Ah, mais uma coisa. sou casada com um negro. O que píora ainda mais as coisas! Ainda que entre nós haja amor maduro e verdadeiro. Rimos mas machuca, por vezes.

    ResponderEliminar
  4. Oi Diler :D!

    "Sempre que topo com este tema lembro um velho historinha: "Na primeira vez que um negro viu um branco, achou que era um fantasma e na primeira vez que um branco viu um negro, achou que era um macaco...Os negros logo perceberam tratar-se de um humano de outra cor, já muitos brancos, ignorantes, até hoje não conseguem compreender a realidade!"

    Não conhecia esta história; já aprendi algo novo hoje :D!
    É mesmo, muitos até hoje, não conseguem entender bem a realidade e as suas nuances - o que é triste.

    "Mas uma vez, parabéns pelo texto, pela polêmica e pela inquietação que nos causa; seu blog é ótimo."

    Obrigada, Diler :D! Muito obrigada!

    Adoro os teus comentários: sempre!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Oi Bea :D!

    "O racismo é a coisa mais insidiosa e pérfida. sou Salomé com vc e quero a cabeça deles. ..sim "deles" numa bandeja."

    Absolutamente!
    Vamos a isso!

    "Mas, Max , o diferente é discriminado em qqer lugar. Sou loira, olhos azuis, italiana,. Moro na Bahia e venho de uma família baiana por parte de mãe. Pois! Por ser filha de um romano , italiano, que só falava italiano...sempre fui discriminada por ser diferente. Aqui me chamam de 'galega dos olhos azuis". E me olham n=muito feio nas ruas pelos negros que reclamam de racismo!!!"

    Isso é horrível! É isso mesmo que desgosta também: como é que pessoas que sofreram o racismo na pele, conseguem ser racistas para com outros?
    Não acho isso certo. Mi dispiace tanto, Bea!

    "Então, assim como vc, quero a cabeça "deles" numa salva de prata! Me fiz entender? Hein, Max? Racismo tem mão dupla"

    Eu também quero a cabeça "desses" numa salva de prata! Ma chiaro, ho capito beníssimo!!

    Bea, obrigada pelo teu super comentário...complementaste o artigo na perfeição!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Bea,

    Sim, já sabia que eras casada com um negro (o contista, não é?).

    Cá para nós: o teu casamento é uma benção para a sociedade; pois equivale à sofisticação do Ser (que se recusa a estar acorrentada ao preconceito e aos pre-conceitos) :D!

    Beijinhos e tens o meu total apoio

    ResponderEliminar
  7. sim o contista e engenheiro e físico e matemático e poeta. ;))e blogueiro do http:simpatieesculacho.blogspot.com

    ResponderEliminar
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  10. Estou com a minha bandeja também! Essa é a reflexão e a luta de todas as pessoas humanas.
    Interessante que essa temática do "outro", do "Nós-Eu" (dentro da persperctiva do Nobert Elias),
    tem estado comigo nos últimos tempos - tanto por meu trabalho escrito contemplar uma parte da construção das identidades,
    as mutações sofridas, com o aporte teórico do Claude Dubar; como por ser algo inerente à minha "luta" individual"
    - sem querer chegar (mas citando), a visão de outro, a partir da II Guerra Mundial, quando
    os alemães viram "o outro" diferente de si, os judeus; e isso era mais que razão para o extermínio - porque vivemos numa e em uma sociedade plural, multicultura; onde somos atravessados em todas as instâncias
    e momentos pelo transcultural, como pode ser possível haver esse tipo de pensamento/comportamento?
    Ora, façam-me o favor! Como as pessoas se acham no direito de analisar, julgar, categorizar outrem, a partir da fé que processa;
    do time que torce; da escolha sexual; da nacionalidade; da cor da pele? Isso me enerva e me maltrata.
    Porque gente eu amo indistintamente, para mim é o caráter o definidor das relações que estabelecemos.
    A mim não faz diferença o que vou dizer aqui em referência a cor da pele do meu namorado
    (por quem sou completamente apaixonada), que é preta, e é um dos seres humanos mais inteligentes e fantásticos que eu conheço,
    por isso é meu namorado, risos.
    Um beijo grande e continuemos os fóruns necessários para um mundo melhor e uma humanidade mais feliz!

    E foi um prazer compartir as minhas fotos lá no Canto.

    ;)

    ResponderEliminar
  11. Com tristeza te digo que no Brasil, a coisa vai do mesmo jeito. Um racismo velado e doentio. Meus filhos foram vítimas dessa coisa odiosa. Mas pasme se te disser que há uns anos atrás me senti segregado dentro de uma reunião do MNU, pq minha pele não é totalmente preta. Sou mestiço, filho de mãe branca e pai negro. Parece que eles tem orgulho da pele preta retinta, mas não deixam muito à vontade, pelo menos nessa reunião que fui há anos atrás, os morenos. Quanta tolice.
    O meu blogue está tratando das expressões negra, branca e ameríndia. Creio que a diversidade, como está posta na natureza é algo indispensável à humanidade. E, mesmo em um país tão plural, como é o Brasil, há resquícios dos anos todos da dominação branca, um dado histórico irrefutável, que interfere na autoestima dos negros, índios e mestiços. Escrevo também pra mudar isso, confraternizando com todos os seres humanos.

    Abraço fraterno.

    ResponderEliminar
  12. Ah, se não conheces, no Brasil o MNU é sigla de Movimento Negro Unificado, entidade muito respeitável, a que não reputo o que percebi naquela reunião de 15 anos atrás. Tudo muda! E nada é perfeito! rs

    ResponderEliminar
  13. Bea,

    Wow...que maridão, ein? :D
    Hei-de visitar o blogue dele - obrigada pelo link :D!

    Bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
  14. Oi Canto da Boca :D!

    "Estou com a minha bandeja também!"

    Junta-te a nós :D!

    "Mas porque vivemos numa e em uma sociedade plural, multicultura; onde somos atravessados em todas as instâncias e momentos pelo transcultural, como pode ser possível haver esse tipo de pensamento/comportamento?"

    Não faço a mínima ideia de como possa ser possível tal pensamento/comportamento...é algo que me ultrapassa por completo, e para te dizer a verdade não farei mais o mínimo esforço para tentar analisar comportamentos inergúmenos.

    "Ora, façam-me o favor! Como as pessoas se acham no direito de analisar, julgar, categorizar outrem, a partir da fé que processa; do time que torce; da escolha sexual; da nacionalidade; da cor da pele? Isso me enerva e me maltrata."

    Como se atrevem, não é? Yah, também fico dilacerada.

    "Porque gente eu amo indistintamente, para mim é o caráter é o definidor das relações que estabelecemos. A mim não faz diferença o que vou dizer aqui em referência a cor da pele do meu namorado (por quem sou completamente apaixonada), que é preta, e é um dos seres humanos mais fantásticos que eu conheço, por isso é meu namorado, risos."

    lol que lindo!! :D
    Eu olho para as pessoas para lá da côr (assim como para lá do género)...que não passa de uma capa da alma. A mim o que me interessa é a essência das pessoas, o seu caractér, a sua dualidade...todo o resto, são detalhes.

    "Um beijo grande e continuemos os fóruns necessários para um mundo melhor e uma humanidade mais feliz!"

    Obrigada por teres partilhado a tua opinião sobre este assunto, minha linda :D! Amén!

    "E foi um prazer compartir as minhas fotos lá no Canto."

    :D

    Beijosss

    ResponderEliminar
  15. Olá Lula :D!

    "Com tristeza te digo que no Brasil, a coisa vai do mesmo jeito. Um racismo velado e doentio."

    Que tristeza...

    "Meus filhos foram vítimas dessa coisa odiosa."

    Espero que não se tenham deixado ficar...que se tenham erguido e lutado :D!

    "Mas pasme se te disser que há uns anos atrás me senti segregado dentro de uma reunião do MNU, pq minha pele não é totalmente preta. Sou mestiço, filho de mãe branca e pai negro. Parece que eles tem orgulho da pele preta retinta, mas não deixam muito à vontade, pelo menos nessa reunião que fui há anos atrás, os morenos. Quanta tolice."

    Que ridículo!
    Infelizmente há pessoas assim: uma "amiga" da minha mãe (preta) disse-lhe, em Moçambique, "casaste com um branco? Que nojo!!" vê se pode...a minha mãe ficou chocada, pois não se espera tais comportamentos vindos de negros...mas até eles podem ser contagiados por essa coisa odiosa que é o racismo.

    "O meu blogue está tratando das expressões negra, branca e ameríndia. Creio que a diversidade, como está posta na natureza é algo indispensável à humanidade."

    Concordo plenamente contigo!

    "E, mesmo em um país tão plural, como é o Brasil, há resquícios dos anos todos da dominação branca, um dado histórico irrefutável, que interfere na autoestima dos negros, índios e mestiços. Escrevo também pra mudar isso, confraternizando com todos os seres humanos."

    E fazes um óptimo trabalho no blogue :D! Em nomes dos humanos que são pró-diversidade (como forma de enriquecimento do Ser): obrigada :D!

    Lula, obrigada por partilhares a tua experiência pessoal connosco: há que expôr estas coisas :D!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  16. Lula,

    Ah ok...obrigada pelo esclarecimento!

    É verdade: tudo muda (graças a Deus) e nada é perfeito (na terra)!

    ResponderEliminar
  17. Olha Max..no mais q vivemos é muito dificil isso ainda ocorrer em certos aspectos...aki no Brasil ainda existe e um deles é do governo..libera cotas pras universidades federais..pra negros???e pra nos brancos...isso seria uma forma de racismo..sem conta que qndo a pessoa é morena a branca ja fica desconfiado.....

    mas lamentavel isso algum dia isso muda...

    bjao

    ResponderEliminar
  18. Oi Max

    O racismo é algo nojento, é inadmissível alguém se achar melhor do que outro pelo físico, por condiçoes financeiras ou por qualquer outra coisa.
    Mas infelizmente o racismo é uma realidade em qualquer lugar, sempre estamos vendo as pessoas se separarem em grupos, os dos brancos, dos ricos, e esses grupos acabam se tornando tão fechados e acabam crescendo e tomando grandes proporções.
    É uma vergonha um país que não assume a diversidade, na verdade a diversidade é muito mais adaptada do que a não diversidade.
    Ser diferente é ser diferente e pronto, não é ser melhor ou pior, na verdade a diferença não era nem para ser notada.
    Aqui no Brasil existe uma camuflagem em relação a isso, então o governo acaba tomando medidas que na minha opinião são mais racistas ainda, tipo: criar cotas para negros nas universidades publicas, pois eu acho que os negros são totalmente capazes de disputar uma vaga com os brancos, porque então não se melhora o ensino básico? são essas coisas que não dão para entender.
    Nossa quer dizer que você foi vítima de racismo? essa menina devia ouvir esse tipo de coisa em casa, Eu tenho pele clara mas tenho cabelos escuros, mas graças à Deus nunca sofri algo assim...
    Muito bom o assunto...

    beijinhos

    ResponderEliminar
  19. Max, olá, tudo bem?
    Não sei se te interessa, mas divulguemos:
    http://www.cnpq. br/editais/ ct/2009/pec. htm

    Beijos.

    ResponderEliminar
  20. Passando aqui para avisar que seu post já está no ar no blog "O que elas estão lendo!?" Convide a todos por aqui para te prestigiarem!

    Obrigada por sua participação!

    Abraços

    Flavia Mariano

    ResponderEliminar
  21. Oi Philip :D!

    "Olha Max..no mais q vivemos é muito dificil isso ainda ocorrer em certos aspectos...aki no Brasil ainda existe e um deles é do governo..libera cotas pras universidades federais..pra negros???e pra nos brancos...isso seria uma forma de racismo..sem conta que qndo a pessoa é morena a branca ja fica desconfiado...."

    O sistema de quotas é altamente discriminatório...não concordo com isso. Seria não, é uma forma de racismo.
    Pois...

    "mas lamentavel isso algum dia isso muda..."

    Esperemos que um dia mude, meu lindo.

    Philip obrigadão pelo teu comentário :D!

    Beijão

    ResponderEliminar
  22. Oi Dri :D!

    "O racismo é algo nojento, é inadmissível alguém se achar melhor do que outro pelo físico, por condiçoes financeiras ou por qualquer outra coisa."

    É mesmo! Apoiado!!

    "Mas infelizmente o racismo é uma realidade em qualquer lugar, sempre estamos vendo as pessoas se separarem em grupos, os dos brancos, dos ricos, e esses grupos acabam se tornando tão fechados e acabam crescendo e tomando grandes proporções."

    Essa separação por grupos demonstra uma total ignorância. Acho que as pessoas nem se apercebem do quão sub-humanos parecem ao agir desse modo.

    "É uma vergonha um país que não assume a diversidade, na verdade a diversidade é muito mais adaptada do que a não diversidade.
    Ser diferente é ser diferente e pronto, não é ser melhor ou pior, na verdade a diferença não era nem para ser notada."

    Amei esta secção *aplausos*!

    "Aqui no Brasil existe uma camuflagem em relação a isso, então o governo acaba tomando medidas que na minha opinião são mais racistas ainda, tipo: criar cotas para negros nas universidades publicas, pois eu acho que os negros são totalmente capazes de disputar uma vaga com os brancos, porque então não se melhora o ensino básico? são essas coisas que não dão para entender."

    Concordo plenamente contigo. Graças a Deus, esse sistema de quotas não assentou aqui: ninguém aceitou!

    "Nossa quer dizer que você foi vítima de racismo? essa menina devia ouvir esse tipo de coisa em casa, Eu tenho pele clara mas tenho cabelos escuros, mas graças à Deus nunca sofri algo assim..."

    Na altura não me apercebi do facto como sendo racismo, mas sim como sendo ódio...mas sim, fui vítima de racismo. Claro, ela só estava a repetir o que os pais diziam...mas enfim, aposto que hoje ela é casada com um Angolano LOL um bem negão mesmo lol ;).
    Graças a Deus mesmo, minha linda :D!

    "Muito bom o assunto..."

    Obrigada, amiga...e obrigada pelo teu super super comentário :D!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  23. Oi Canto da Boca,

    Tudo bem: e contigo :)?

    Não sei o que é ainda, mas vou ver: obrigada pelo link :D!

    Beijos

    ResponderEliminar
  24. Oi Flávia :D!

    Já está no ar? Amanhã passarei por lá então!

    Obrigada pelo aviso, querida :D!

    beijos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço