Contornando o Protocolo



...Sim, eu sei que não é politicamente correcto criticar abertamente o Fundamentalismo Islâmico (excepto quando eles se explodem no Ocidente)...contudo tenho uma ou duas coisas a partilhar...sim, chefe...eu compreendo...terei isso em consideração...obrigada...

Vejo com regularidade o Doha Debates (na BBC World), porque gosto imenso de saber a opinião do mundo Islâmico sobre assuntos da actualidade.
O programa está bem montado, as perguntas postas na mesa são boas...trata-se de um programa televisivo que tenta mostrar o quão aberto ao debate está o mundo Muçulmano e, quão disposto está à auto-crítica. Contudo, parece-me que as conversas convirjam todas para um mesmo tópico: detonar o estilo de vida Ocidental.

Tudo bem. Quer dizer, nós sabemos que não somos perfeitos e apreciamos a crítica. Mas quando as pessoas que nos criticam são as mesmas que beneficiam do nosso sistema e estilo de vida; não conseguimos evitar perguntarmo-nos “Então por que é que não vai morar para os países Muçulmanos?”

O Doha Debates convida sempre mulheres muçulmanas (com vozes irritantes) para defender a posição radical do Islão (Nota: mulheres ex-Cristãs, que se convertem ao Islão e vivem ou em Inglaterra ou nos EUA), e queixar-se do quão injustos, hipócritas, imorais são os Ocidentais; e o quão humilhados foram por eles. Depois, pegam na questão Palestiniana para atacar Israel, mesmo que o tópico da conversa não seja o conflito Israelo-Àrabe. Pergunto-me, aonde fica a auto-crítica?

Os Muçulmanos moderados (na maioria das vezes, nacionais de países Ocidentais), defendem que a presente política Islamista é belicosa e vai contra a definição de Islão (Paz); e que os Muçulmanos à volta do mundo deveriam unir forças para combater a actual tendência e mudar as coisas – este argumento (correctíssimo, a meu ver) assusta os poucos (ainda que com maior voz) radicais Islâmicos presentes na sala, e no mundo inteiro...como se a sua cultura estivesse a ser ameaçada. Mas será que está mesmo? Eu diria que os moderados simplesmente propõem uma mudança enriquecedora (para que possamos todos viver em paz).
O problema é que os radicais vão sempre para os debates extremamente bem preparados com argumentos válidos (ainda que insanos) que sustentem a sua tese; enquanto que os moderados (ainda que detenham a razão) falham em transmitir as palavras certas que entrem e fiquem na cabeça das pessoas.

Os radicais acusam-nos de os termos humilhado, e usam esse argumento como desculpa para detonar o nosso estilo de vida; para bombardear as nossas cidades; ameaçar a nossa paz; injectar medo e paranóia nas nossas sociedades; e amordaçar os Ocidentais (i.e. jornalistas, artistas e pensadores).
Poderia debater isto a fundo, mas como não se trata de uma tese política; gostaria somente de acrescentar um ponto vital...
Será que o mundo Islâmico radical poderá realmente falar em humilhação? Porque quando oiço esta palavra, penso em:
  1.  Pretos: escravatura, assimilação cultural, discriminação, racismo, desrespeito (por exemplo, no Sudão; um país Africano negro; os Muçulmanos querem que seja “Zorka Free”, ou seja, “livre de Africanos negróides”; daí o presente genocídio que ocorre naquele país).
  2. Judeus: escravatura, expulsão da própria terra, perseguições, conversões forçadas, discriminação, racismo, Holocausto, desrespeito.
  3. Índios da América do Norte: desapropriações, assimilação cultural, ostracismo, discriminação, desrespeito.
  4. Indianos: racismo, desrespeito, desprezo. 
  5. Índios da América Latina: conversões forçadas, discriminações, desrespeito, aquisição forçada de doenças Ocidentais. 
Digam-me, por acaso vemos estes povos a usarem a sua história horrível como desculpa para se rebentarem e aterrorizarem os outros? Não. 
Por isso sugiro o seguinte: esqueçam isso; parem de ser belicosos, parem de desrespeitar as vossas mulheres, implementem a democracia nos vossos países e desenvolvam-nos (a todos os níveis).

E pensar que, na escola, aprendemos que os Árabes foram grandes conquistadores, adversários honrados; artistas; um povo justo, orgulhoso; e intelectuais cujo legado está bem presente na cultura Portuguesa. Contudo, até estes bravos Árabes, do passado, vomitariam perante tal cenário de vitimização em massa, por parte do Islão.

Imagem: Consolo de Alajos Györgyl

Comentários

  1. Olá Max
    Esse assunto ainda vai render muito,não acha? cada um defendendo seu ponto de vista, e uns literalmente até a morte!
    Como você mesmo disse história de horror no passado vários povos tiveram.
    Já tem um tempo eu estava lendo um livro de antropologia cultural e o autor dizia que sempre acharemos nossa cultura melhor do que a dos outros em qualquer circunstância, mas definitivamente não concordo com isso porque acho que antes da cultura está a ética.
    Imagina você por acaso iria achar correto a antropofagia no caso de alguns grupos indíginas, só porque isso é inerente a cultura deles?
    Pois é, mesmo tendo nossa cultura como base, sempre há a noção de certo e errado...

    beijos amiga, e calma!!! :)

    ResponderEliminar
  2. Olá Dri :D!

    "Esse assunto ainda vai render muito,não acha? cada um defendendo seu ponto de vista, e uns literalmente até a morte!"

    Seria bom que não rendesse, porque significaria que estaríamos no bom caminho; mas pelo que vejo...sim, ainda irá render muito.
    Não sou contra a defesa de pontos de vista (pelo contrário: adoro um bom debate); mas a razão tem de imperar.

    "Já tem um tempo eu estava lendo um livro de antropologia cultural e o autor dizia que sempre acharemos nossa cultura melhor do que a dos outros em qualquer circunstância, mas definitivamente não concordo com isso porque acho que antes da cultura está a ética."

    Também não concordo com esse argumento, não. A ética diz-nos que devemos respeitar os seres humanos, independentemente da sua nacionalidade, cultura, idade, género, religião...exactamente por sermos todos seres humanos - isso vem em primeiro lugar. Mas infelizmente nem todos vêm as coisas assim...

    "Imagina você por acaso iria achar correto a antropofagia no caso de alguns grupos indíginas, só porque isso é inerente a cultura deles?"

    Claro que não. Até porque já está provado que a antropofagia gera, nos humanos, o equivalente à doença das vacas loucas. Mas mesmo que não gerasse essa doença, estaria errado a todos os níveis.

    "Pois é, mesmo tendo nossa cultura como base, sempre há a noção de certo e errado..."

    Absolutamente...

    "beijos amiga, e calma!!! :)"

    LOL sempre, linda! :D

    Beijos

    ResponderEliminar
  3. Max, apesar dos árabes terem tido um passado glorioso de descobertas e conquistas, sinto que eles pararam no tempo. Enquanto a religião comandar o povo, veremos ainda muitas atrocidades e atentados cometidos contra a raça humana. Eu não consigo acreditar que se há um ente superior, onipotente e onipresente, concorde que tais ações possam existir.

    ResponderEliminar
  4. Oi gatíssimo! :D

    "Max, apesar dos árabes terem tido um passado glorioso de descobertas e conquistas, sinto que eles pararam no tempo."

    E pararam mesmo (infelizmente), o que é uma pena!

    "Enquanto a religião comandar o povo, veremos ainda muitas atrocidades e atentados cometidos contra a raça humana."

    Neste caso tenho de concordar que a religião Islâmica é a causa de muito mal que paira sobre o mundo Muçulmano (os seus textos sagrados são um atentado ao respeito entre seres humanos). Mas espero que um dia possam mudar...

    "Eu não consigo acreditar que se há um ente superior, onipotente e onipresente, concorde que tais ações possam existir."

    Absolutamente...e olha, muitos questionam se a religião deles será mesmo baseada em Deus ou em Mohammed...duas coisas diferentes...

    Cidão, obrigada pelo teu comentário a um assunto tão sensível!

    Beijos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

O Etnias aprecia toda a sorte de comentários, já que aqui se defende a liberdade de expressão; contudo, reservamo-nos o direito de apagar Comentos de Trolls; comentários difamatórios e ofensivos (e.g. racistas e anti-Semitas) mais aqueles que contenham asneiras em excesso. Este blog não considera que a vulgaridade esteja protegida pelo direito à liberdade de expressão. Um abraço